Sem previsão de reajuste para os servidores em 2024, governo quer reservar crédito extra

Crédito extra pode ser utilizado para conceder reajuste para os servidores em 2024 – Após causar revolta dentre os servidores federais ao enviar ao Congresso a proposta de Orçamento para 2024 sem espaço para o reajuste prometido, o governo planeja reservar parte dos recursos extras que podem ser liberados em maio do ano que vem para honrar o compromisso com a categoria.

Recursos extras serão liberados em maio para gastos adicionais caso a receita do ano que vem cresça mais do que o previsto no Orçamento formulado este ano. De acordo com a ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, a ideia é reservar parte desta verba para conceder reajuste para os servidores em 2024.

“Tem previsto no arcabouço fiscal R$ 15 bilhões que podem entrar (de despesas em 2024) se estiver cumprindo a meta, se tiver receita suficiente. O que a gente tratou internamente no governo é que, se existir esse valor, parte dele, não todo, será destinado aos servidores”, disse a ministra ao Estadão

Pelas regras do arcabouço fiscal, o governo faz em maio uma revisão da arrecadação de 2023 e, com base no que resultado, refaz a previsão para 2024. Caso o desempenho seja acima do que havia previsto, pode-se abrir um crédito extra. O limite é que a expansão dos gastos não passe de 2,5% acima da inflação.

Na proposta orçamentária enviada pelo governo ao Congresso em agosto, há uma previsão de aumento de gastos de 1,7% acima da inflação. Com essa porcentagem e a expectativa de receita extra, a estimativa do governo é de R$ 15 bilhões a mais no orçamento.

Relacionada: Orçamento 2024 não prevê correção do IR nem reajuste prometido a servidores federais

A ministra explicou que o recurso extra não piora a situação fiscal do governo, pois o crédito está condicionado a um aumento da receita.

“Os R$ 15 bilhões só vão existir se a receita estiver crescendo e se a meta de (resultado) primário estiver sendo cumprida. E é uma meta de primário bastante ousada. Então, os R$ 15 bilhões são uma possibilidade. Do ponto de vista da despesa, a gente colocou um teto de crescimento real (acima da inflação). Então, a despesa não está solta. E a receita está entrando para você poder ter um resultado fiscal maior”, afirmou.

E o reajuste para os servidores em 2024?

Em maio deste ano, os servidores federais tiveram um reajuste de 9% após seis anos com os salários congelados. Nas negociações, a categoria considerou o valor insuficiente tendo em vista as perdas inflacionárias que chegam a 50%, mas aceitou a proposta pela disponibilidade limitada de recursos liberados na PEC da Transição e sob o compromisso de se melhorar o valor no ano seguinte, quando este governo formulasse seu primeiro orçamento.

No entanto, a proposta orçamentária tem apenas R$ 1,5 bilhão reservado para a categoria e, segundo a ministra, este valor não será utilizado para reajuste linear, e sim para bancar reestruturações de carreira.

Ou seja, por enquanto não há garantia de reajuste para os servidores em 2024. Se o montante de R$ 1,5 bilhão fosse utilizado para reajuste, seria de menos de 1%, o que causou revolta na categoria.

“A gente nunca anunciou 1% de reajuste, o que aconteceu é o que existe no Orçamento. A gente não está focando agora em reajuste linear. O que estamos focando é repensar as carreiras. Tanto que abrimos dez mesas setoriais de (negociação) de carreiras. A lógica é que a gente quer tentar organizar as carreiras de serviço público. Não necessariamente unificá-las, mas para elas serem mais equalizadas”, disse Dweck.

Reestruturação de carreiras no serviço público

A ministra contou ainda que sua missão é criar famílias de carreiras no serviço público federal para que elas recebam tratamento equivalente, independentemente do órgão no qual o servidor atua.

Ela explicou que o que acontece hoje em dia é o que ela chama de carrossel, ou seja, uma categoria consegue um reajuste ou benefício e outras reivindicam as mesmas condições.

Atualmente, há cerca de 300 carreiras no governo federal, mas metade são de funções que desapareceram ou não são mais repostas, como o datilógrafo. O que a ministra pretende é organizar as cerca de 150 carreiras ativas em grupos a partir de reestruturações negociadas com as categorias.

O R$ 1,5 bilhão disponível no Orçamento de 2024 até o momento será utilizado para essas reestruturações, mas o montante não será suficiente para todas elas.

Dweck afirmou que as carreiras prioritárias para reestruturação estão na ANM (Agência Nacional de Mineração), cujos servidores estão em greve desde 8 de agosto denunciando a precarização da autarquia e a falta de funcionários, e na Funai (Fundação Nacional do Índio), que enfrenta problemas semelhantes.

Conforme a ministra, o objetivo da reestruturação é verificar questões próprias das carreiras, como promoções e reajustes periódicos.

Atualmente, cada categoria tem progressões distintas, com algumas chegando ao topo rapidamente e outras com promoções lentas demais. Segundo Dweck, o plano é vincular as promoções à formação continuada dos servidores.

Informações: Estadão

Foto 1: Valter Campanato/Agência Brasil

Foto 2: Sinagências

Compartilhe:

Leia mais
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto sobre Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto