carteira vazia contas a pagar salário mínimo

Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna

Trabalhadores que moram na cidade de São Paulo precisam ganhar mais que o dobro do salário mínimo regional para garantir o básico para uma vida digna. Segundo pesquisa realizada pelo Anker Institute Research, o mínimo necessário para se viver dignamente na capital paulista é R$ 3.428, enquanto o piso regional é de R$ 1.640.

Para uma residência com quatro pessoas, sendo duas delas em idades de trabalho, a renda familiar mínima deveria ser de R$ 5.965, o que foi chamado de renda digna.

O estudo utilizou o conceito chamado no exterior de “living wage”, ou seja, quanto é preciso ganhar para suprir as necessidades básicas.

O levantamento foi feito em associação com o Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento) e com apoio da Global Living Coalition. Foram coletados dados em todo o país, mas por enquanto foram compiladas as informações de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, interior do Piauí e algumas regiões de Santa Catarina.

Em Porto Alegre, o mínimo digno é ainda maior, de R$ 3.969, enquanto o piso regional do Rio Grande do Sul é menor que o mínimo paulista, de R$ 1.573,94 na faixa 1, e vai até 1.994,56 na faixa 5.

Relacionada: Centrais e patronato não chegam a acordo sobre reajuste do piso regional do RS para 2024

“A divulgação destes valores permite que eles sejam utilizados por governos, empresas, terceiro setor e sociedade civil na implementação de ações concretas que tenham este tema como foco. Queremos embasar a discussão e, consequentemente, contribuir para a criação e implementação de estratégias e planos de ação concreto para tornar o salário digno uma realidade”, afirma Ian Prates, coordenador do projeto no Brasil, líder de inovação no Anker Research e pesquisador do NUDES/Cebrap.

De acordo com o documento feito pelo instituto, a pesquisa foi feita para “estimar valores médios de renda e salários dignos rurais e urbanos, para o país, utilizando dados secundários.”

Foram feitos cálculos regionais sobre o que era preciso para custear alimentação saudável, habitação digna e outras despesas não alimentares ou habitacionais, considerando trabalhadores e trabalhadoras de 25 a 59 anos.

Nos países em que a diferença entre o salário mínimo e o digno não é grande, ONGs e sindicatos fazem campanha para que as empresas adotem o valor digno. No Reino Unido, por exemplo, o mínimo é 11,44 libras esterlinas por hora e o digno está em 12.

“O salário mínimo é muito mais uma questão de determinações políticas do que meramente econômicas. Não é fruto do cálculo de uma cesta. Eu acho interessante este conceito do salário digno. Mostra o caminho que o país tem de percorrer para chegar nesse nível”, diz Lauro Gonzalez, coordenador do Cemif (Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira) da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Salário mínimo perdeu objetivo original

Pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho e professor de Economia da Unicamp, José Dari Krein lembra que, durante o regime militar, na década de 1970, o salário mínimo perdeu o objetivo para o qual foi criado.

Segundo explica o pesquisador, o mínimo brasileiro deixou de ser referência para dar uma vida decente à classe trabalhadora e passou a ser um consenso do que a classe empresarial e o governo seriam capazes de pagar.

“O salário mínimo no Brasil é muito baixo. Os R$ 1.412 estão muito distantes do que é necessário. A lei do tinha como perspectiva o custo da cesta básica. Desde a ditadura militar deixou de ser referência do que era necessário para uma família viver e passou a ser referência do que as instituições públicas e a iniciativa privada conseguiam suportar. Quem ganha R$ 1.412 tem muita dificuldade para pagar itens básicos de sobrevivência”, afirma.

Leia também: Sindicatos repudiam ideia de Tebet de desvincular aposentadoria do salário mínino

Com informações de: Folha de S.Paulo

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO