Plenária da CSB-RS tem discussão sobre financiamento sindical e nova filiação

A CSB no Rio Grande do Sul promoveu uma plenária ampliada nesta sexta-feira (25) em Caxias do Sul, na sede do Sintronac. O presidente da CSB-RS, Sérgio Arnoud, convidou o presidente nacional da central, Antonio Neto, para esclarecer aos dirigentes sindicais a proposta de contribuição negocial e outros temas em discussão no Grupo de Trabalho da Negociação Coletiva.

Neto é membro titular do GT, que é composto pelas seis centrais sindicais, seis confederações patronais e coordenado pelo Ministério do Trabalho. O grupo tem o objetivo de elaborar uma minuta de projeto de lei que reestruture o financiamento dos sindicatos e promova uma reforma sindical.

“Estamos discutindo há 6 meses como fica a questão do financiamento dos sindicatos. Eu olho uma sede como essa em que estamos e penso: com que dinheiro foi construída essa sede? Com dinheiro de partido político? Da igreja? Do governo? Não. Esta sede foi construída com o suor e o dinheiro de cada um dos trabalhadores”, disse Neto.

Ele criticou matérias publicadas em vários veículos que tentaram classificar a contribuição negocial como “a volta do imposto sindical”, que foi extinto pela reforma trabalhista de 2017, que seria maior que o antigo tributo.

“Foi só a gente questionar no Supremo Tribunal Federal a constitucionalidade do fim do financiamento sindical que toda a mídia da elite burguesa e escravocrata do país está em campanha contra o movimento sindical. Estão dizendo ‘está aí de volta o imposto sindical’. Não é nada disso. É a volta de uma forma de financiamento para a estrutura sindical brasileira”, defendeu.

Relacionada: Ministro nega volta do imposto sindical e explica proposta de contribuição negocial

Neto acrescentou que a campanha contra os sindicatos diz ainda que eles são pouco representativos, pois teria uma porcentagem baixa de filiados. No entanto, o Brasil tem uma média de 12% de trabalhadores filiados mesmo após a reforma trabalhista, índice próximo dos países da OCDE, que é de 12,5% em média.

“Dizem também que os sindicatos não são representativos, vejam só que absurdo. Um sindicato representa toda a categoria, quando ele assina uma convenção coletiva, ela vale para todos os trabalhadores daquela categoria, filiados ou não”, pontuou, relembrando o princípio da unicidade sindical.

Compareceram à plenária dirigentes sindicais de categorias como vigilantes, servidores públicos, metalúrgicos e rodoviários. A CSB é a maior central sindical no Rio Grande do Sul, com cerca de 100 filiados.

Nova filiação

Somando-se a diversos sindicatos de rodoviários que já são parte da CSB-RS, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Carazinho e Região se filiou à central nesta sexta, pouco antes do início da plenária.

Veja também: CSB e autoridades prestigiam posse da nova diretoria da Fetrarod em Caxias do Sul (RS)

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)