Sem acordo sobre projeto de lei, GT da negociação coletiva marca nova reunião para 5/9

Entidades dos trabalhadores e patronais não chegaram a um acordo na reunião do Grupo de Trabalho da Negociação Coletiva nesta terça-feira (22) e marcaram um novo encontro para 5 de setembro. A expectativa era finalizar a minuta de um projeto de lei que altera alguns pontos da reforma trabalhista de 2017 e promove uma reforma sindical.

Os representantes patronais, no entanto, pediram mais tempo para analisar a proposta, e as partes combinaram de se encontrar em duas semanas na sede da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) em São Paulo.

Coordenado pelo Ministério do Trabalho, o GT é por seis centrais sindicais, seis entidades patronais e seis ministérios, com dois membros titulares cada. Pela CSB, participam do grupo o presidente nacional da central, Antonio Neto, e o secretário nacional de Mobilização, Paulo de Oliveira. Ambos estiveram na reunião desta terça em Brasília.

Desde maio, as centrais sindicais participam do processo e estabeleceram os seguintes objetivos:

  • Negociação coletiva valorizada e fortalecida;
  • Direito de negociação coletiva para servidores públicos;
  • Sindicatos representativos;
  • Representação sindical ampliada;
  • Agregação sindical incentivada;
  • Autonomia sindical para a organização e o financiamento;
  • Participação de todos no processo de transição;
  • Unidade fortalecida;
  • Autonomia para regular e operar o sistema de relações do trabalho.

Concretamente, propõe-se por exemplo a criação de uma contribuição negocial de até 1% do salário do trabalhador para custear as atividades do sindicato, com direito a oposição. O índice seria aprovado em assembleia pelos trabalhadores, que podem optar por uma taxa menor.

O valor da contribuição seria previsto nas convenções coletivas de trabalho, ou seja, apenas sindicatos que fecham acordos coletivos e prestam serviço à sua categoria receberiam a contribuição.

Este ponto está sendo considerado uma alteração da reforma trabalhista, que extinguiu o imposto sindical e manteve apenas a contribuição assistencial facultativa.

Após matérias na mídia classificarem a proposta em discussão de “volta do imposto sindical”, o presidente da Câmara, Arthur Lira, afirmou durante um jantar do PoderIdeias, na segunda-feira (21) que o projeto não seria aprovado pois o Congresso “não retroagirá” em questões previamente aprovadas pelo legislativo.

“No Congresso, não passa, não. [Está] alterando a reforma trabalhista. O imposto sindical foi extinto na reforma trabalhista”, disse.

As centrais, porém, rechaçam a comparação ao imposto sindical e afirmam que seu retorno não está em discussão.

“A Contribuição Negocial não tem nenhuma relação e nem permite um comparativo com o extinto imposto sindical, já que é definida em assembleia de forma amplamente divulgada e democrática”, explicaram as centrais em nota assinada por CSB, Força Sindical, CTB, UGT e NCST.

O grupo discute também uma reforma sindical, estabelecendo novas regras para as eleições das diretorias, mandatos e para a prestação de contas.

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, declarou em entrevista à rádio CBN nesta quarta que a intenção do governo é melhorar as relações de trabalho e promover o diálogo entre as partes não apenas no GT, mas em negociações futuras entre trabalhadores e patrões. Porém, é necessário garantir que os sindicatos de ambas as partes tenham condições iguais.

“O que ocorreu nos governos anteriores foi um processo de precarização do trabalho e das condições de atuação dos sindicatos. Os sindicatos dos empregadores acabaram se segurando de forma lateral no Sistema S, que não deveria financiar atividade sindical de empregador, mas acabou acontecendo. É preciso que o sistema sindical funcione, e quando falo sistema sindical, eu falo dos dois polos de representação, trabalhadores e empregadores”, disse.

Com informações de: Poder360 e CBN

Compartilhe:

Leia mais
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores
Sindpd=SP ganha premio no Sindimais
Projeto do Sindpd-SP vence prêmio de Inovação no SindiMais 2024