pacto-pelo-combate-as-desigualdades-conselhao

Pacto Nacional pelo Combate às Desigualdades é lançado em reunião do Conselhão

O Pacto Nacional pelo Combate às Desigualdades foi lançado oficialmente nesta quarta-feira (30) em Brasília em duas cerimônias: uma na Câmara dos Deputados na parte da manhã, e outra no Conselhão, à tarde.

O presidente da CSB, Antonio Neto, falou pelas centrais sindicais na primeira solenidade e, como membro do Conselhão, participou da segunda, na qual representou as centrais a presidente da Intersindical, Nilza Pereira.

Ela contou que a ideia do pacto contra as desigualdades foi apresentada às centrais há cerca de um mês, e as entidades prontamente aceitaram se unir à iniciativa pois a luta contra a desigualdade está na essência do movimento sindical.

Nilza leu o documento formulado pelas centrais com dez iniciativas do movimento sindical para contribuir no combate às desigualdades, especialmente no mundo do trabalho, mas lembrou antes de uma fala do presidente Lula que, segunda ela, ilustra bem a necessidade de um pacto reunindo atores de todas as áreas.

“O presidente Lula sempre diz que a cabeça pensa e o coração sente onde os pés pisam. Por que temos que pensar desta forma? Porque cada um de nós aqui no Conselhão, cada um de nós no movimento sindical, representa um espaço da sociedade, no nosso caso, os trabalhadores formais”, falou.

A socióloga Neca Setúbal falou representando os idealizadores do pacto e apresentou as prioridades do grupo para os próximos três meses. São elas:

  • Incidir na elaboração do PPA a partir da perspectiva do combate às desigualdades;
  • Participar dos Planos de Desenvolvimento Produtivo e do PAC sob a ótica das transformações estruturais e da superação das desigualdades;
  • Apoiar iniciativas para avançar numa reforma tributária justa e progressiva.

“Superar as diferentes formas de desigualdade é condição para alçarmos o país ao patamar de nação desenvolvida, justa e igualitária”, afirmou.

Comparecem ao lançamento no Conselhão as ministras de Estado Marina Silva (Meio Ambiente), Anielle Franco (Igualdade Racial) e Luciana Santos (Ciência e Tecnologia), e os ministros Alexandre Padilha (Relações Institucionais) e Waldez Góes (Integração e Desenvolvimento Regional).

Pela CSB, também estiveram na reunião do Conselhão o secretário nacional de Mobilização, Paulo de Oliveira, e os assessores Ernesto Pereira e Vitor Imafuku.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra