Justiça derruba liminar que suspendia norma da Lei da Igualdade Salarial

A presidente do Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF-6), desembargadora Monica Jacqueline Sifuentes, suspendeu uma liminar que desobrigava empresas de todo o país a divulgar o relatório da transparência salarial. O pedido de suspensão foi feito pela Advocacia-Geral da União, que foi concedido nesta terça-feira (26).

O relatório foi feito pelo Ministério do Trabalho e Emprego baseado nos dados fornecidos pelas empresas e sua divulgação faz parte das normas regulamentadoras da Lei nº 14.611/23, a Lei da Igualdade Salarial.

Relacionada: Mulheres ganham 19,4% menos que homens, mostra 1º Relatório de Transparência Salarial

A liminar desobrigando as empresas havia sido concedida a pedido da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) por decisão do desembargador Lincoln Rodrigues de Faria, também do TRF-6. A federação argumentou principalmente que a divulgação do relatório seria uma exposição indevida de dados pessoais dos funcionários.

No entanto, no pedido de suspensão da liminar apresentado pela Procuradoria-Regional da União da 6ª Região, a União explicou que as normas não violam dados pessoais, uma vez que não são divulgados os salários individuais de ninguém, e sim apenas a demonstração da diferença percentual dos valores pagos a homens e mulheres para cada grupo de ocupação.

O mesmo ponto foi abordado pela procuradora do Trabalho Cristina Gerhardt Benedetti durante seminário promovido pelo Sindpd-SP nesta quarta. Em sua palestra, a procuradora explicou cada artigo da Lei da Igualdade Salarial e desmentiu alguns argumentos que têm sido utilizados por aqueles que, segundo ela, não querem cumprir as novas regras.

“Evidentemente que nenhuma empresa admite que não quer cumprir a igualdade salarial. Ninguém diz que é contra a lei porque quer pagar mais para homens. Elas dizem que são contra porque a lei vai expor os trabalhadores, porque é segredo comercial, uma série de argumentos que escondem o que elas realmente querem, que é não precisar cumprir a lei da igualdade salarial”, afirmou.

Veja mais: Empresas não querem cumprir Lei da Igualdade Salarial, diz procuradora do Trabalho

A procuradora do Trabalho Cristina Gerhardt Benedetti durante palestra no Sindpd-SP

A AGU destacou ainda que as normas foram elaboradas com a participação de confederações empresariais, que tiveram assento no grupo de trabalho que formulou o texto, e que a liminar poderia não só comprometer a qualidade dos dados, mas a finalidade da própria política pública.

A participação das entidades patronais no processo de elaboração da lei também foi lembrada pela secretária nacional da Mulher da CSB, Antonieta Faria, que falou na abertura do seminário do Sindpd-SP e representou a central no grupo de trabalho.

“As entidades que hoje tentam derrubar a lei não só estavam lá conosco no GTI (Grupo de Trabalho Interministerial), como aprovaram o texto final, que foi aprovado por unanimidade. Aí agora, surpreedentemente, questionam na Justiça a lei com a qual elas mesmas concordaram”, contou.

Antonieta Faria durante palestra no Sindpd-SP

Os argumentos foram acolhidos pela presidente do TRF6. Na decisão em que suspendeu a liminar, a desembargadora federal Monica Jacqueline Sifuentes reconhece que, como não são divulgados nomes e dados individuais de cada empregado, não há lesão à intimidade, à privacidade ou à Lei 13.709/18, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

A presidente do TRF6 assinalou que a Lei da Igualdade Salarial “reflete o compromisso do texto constitucional em promover não apenas a igualdade formal, mas também a igualdade substancial, por meio de políticas públicas que buscam equilibrar as disparidades de gênero existentes na sociedade, sendo poder-dever do Estado promover um ambiente de justiça social e equidade”.

Para o procurador-regional da União da 6ª Região, João Batista Vilela Toledo, a AGU “conseguiu demonstrar que a política pública foi desenhada de forma democrática e republicana, inclusive com a participação dos mesmos atores que agora impugnam a norma”.

Leia também: Nota das centrais: patrões querem manter misoginia contra as trabalhadoras

Compartilhe:

Leia mais
reunião fessergs reestruturação carreiras servidores rs
Servidores do RS pedem mais tempo para debater projetos de reestruturação de carreiras
Diretoria sindicato rodoviarios caxias do sul
Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Caxias do Sul (RS) reelege diretoria
senado e governo reoneração folha de pagamento
STF prorroga prazo para Senado e governo discutirem reoneração da folha de pagamento
eleição diretoria sindicato servidores são vicente 2024
Sindicato dos Servidores de São Vicente (SP) elege nova diretoria em disputa acirrada
lucro recorde fgts 2023
Lucro do FGTS quase dobra em um ano e atinge recorde de R$ 23,4 bilhões em 2023
comissão provisória csb-ba
Presidente da CSB-BA pede afastamento, e Antonio Neto nomeia comissão provisória
reunião centrais e governo lei igualdade salarial
Centrais e governo avaliam resultados do primeiro ano da Lei da Igualdade Salarial
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Links: centrais realizam reuniões sobre agenda legislativa nos estados