CSB alcança índice para seu reconhecimento formal

Em menos de dois anos de reorganização, a Central dos Sindicatos Brasileiros supera os 7% de sindicalizados, firmando-se como uma das maiores centrais do País

2013 entrará para a história. É o ano do reconhecimento formal da Central dos Sindicatos Brasileiros. Em menos de dois anos de organização, mostramos que é possível construir uma central diferenciada, plural e que respeita os sindicatos.

Até o início de 2013, a CSB já havia alcançado 3,2% do total de sindicalizados. No decorrer deste ano, aproximadamente 90 sindicatos filiados à Central realizaram suas eleições e atualizaram seus dados de sindicalizados.

Somando-se a isso, mais de 60 sindicatos ‑ entre novos filiados e entidades que estavam subtraídas da lista da Central ‑ nos ajudaram a romper a cláusula de barreira imposta por aqueles que não querem a pluralidade de ideias no movimento sindical. A CSB é, portanto, uma alternativa séria para alavancar a luta dos sindicatos do País.

Desde o nascimento da Central, trabalhamos para dar mais dignidade à vida dos trabalhadores. Prova disso, entre outras lutas, foi a conquista da hereditariedade na licença de trabalho dos taxistas, obtida com o empenho da categoria e o nosso apoio.

Durante meses mobilizamos trabalhadores e parlamentares no Congresso Nacional, organizamos reuniões, encontros com autoridades ‑ como o presidente do Senado, Renan Calheiros – para pedir a aprovação do projeto que garantia o direito aos taxistas e foi vetado duas vezes pela presidenta Dilma Rousseff. A sanção da Media Provisória 615, que concedeu a licença hereditária, foi a coroação de uma batalha árdua e que merece ser divida com todos os trabalhadores.

Não menos intensa foi a luta pela garantia do porte de arma aos agentes penitenciários fora do horário de serviço. Após articulação com deputados e senadores – entre eles o senador Gim Argello –, Dilma Rousseff enviou à Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6565/2013, que garante o benefício à categoria. Todos nós esperamos com muito otimismo a sanção da lei, que vai recompensar a dedicação de centenas de agentes que acamparam durante dois meses em frente ao Congresso.

São exemplos como esses que nos dão mais energia, motivação e atestam a necessidade da manutenção da unicidade sindical como ferramenta de fortalecimento das entidades na representação da classe trabalhadora. Garantir este direito constitucional é preservar a luta dos trabalhadores, e qualquer proposta que macule e divida a base sindical das categorias não só contribui para os interesses do capital, como também destrói e coloca em xeque conquistas já adquiridas. Sindicato forte precisa de unidade e organização.

Para assegurar e garantir essa organicidade, defendemos a contribuição sindical como instrumento de sustentação das instituições. Sem ela, haverá o enfraquecimento dos sindicatos, comprometendo a proteção dos trabalhadores. Não podemos permitir que alguns setores ajam para desmantelar os sindicatos.

O Ministério Público do Trabalho é um exemplo claro dessa tentativa. Desde 2009 o MPT vem interferindo de maneira abusiva nas entidades. Atualmente essa perseguição se intensificou, e o órgão tenta interferir na organização dos sindicatos, inclusive nos processos de eleições, convenções trabalhistas e acordos coletivos. Uma instituição financiada pela sociedade que está agindo contra os trabalhadores. Para coibir essa prática, participamos – juntos com as centrais sindicais – de uma reunião que visa lutar pela autonomia dos sindicatos e para que estes recebam as contribuições legalmente deliberadas em assembleias.

Outro trabalho intenso da Central foi na ação para retirar pontos polêmicos do PL 4330, projeto que prevê a regulamentação da prestação de serviço. Fomos à capital federal pedir que temas que tentavam, entre outras coisas, promover uma reforma sindical, precarizar as relações de trabalho e violar preceitos constitucionais garantidos ao movimento sindical brasileiro fossem retirados da proposta.

Permaneceremos firme na defesa dos princípios constitucionais da democracia, da unicidade sindical, da liberdade de organização e do fortalecimento dos sindicatos brasileiros, sem medir esforços para mobilizar os trabalhadores com o objetivo de impedir que os direitos trabalhistas sejam aviltados para aumentar o lucro do capital ou para atender a interesses de correntes ideológicas minoritárias no movimento sindical e fora dele.

Fizemos um excelente trabalho em 2013. Mas a luta está só começando. Vamos comemorar as conquistas e planejar as ações do futuro. O próximo ano promete muitos desafios, e precisamos estar preparados para o embate contra aqueles que ainda insistem em aviltar os direitos garantidos pela Consolidação das Leis do Trabalho – que completou 70 anos.

Se há alguns meses estávamos em franca ascensão, hoje somos uma central forte e consolidada, que não medirá esforços para defender os interesses da classe trabalhadora. Vamos à luta! 2014 nos espera!

Antonio Neto

Presidente

Compartilhe:

Leia mais
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores
Sindpd=SP ganha premio no Sindimais
Projeto do Sindpd-SP vence prêmio de Inovação no SindiMais 2024