Empresários confessam que a reforma trabalhista foi construída para cortar salários e reduzir direitos

Reportagem da Folha apresenta declarações de executivos, durante encontro nos Estados Unidos, que evidenciam o verdadeiro propósito da Lei 13.467

O jornal Folha de S.Paulo divulgou nesta terça-feira (03) matéria sobre o encontro de empresários na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, na última semana, em Nova York (leia aqui). Segundo a reportagem, “empresários, investidores, advogados, consultores e representantes do setor bancário saíram um tanto frustrados” do evento. Isso porque tais representantes se sentiram “prejudicados” com a reforma trabalhista promovida pelo governo do presidente Michel Temer.

Numa das lamentações citadas pela Folha, um empresário afirma categoricamente: “Então quer dizer que ainda não vamos poder reduzir salários? Isso é a coisa mais anticapitalista que existe”, declarou Terry Boyland, da empresa de tecnologia CPQI.

Outra “catástrofe” citada pelos representantes é a dificuldade que as empresas terão para terceirizar seus funcionários no Brasil mesmo com a reforma trabalhista. Em seu texto, a Folha de S.Paulo diz claramente que “empresários (…) imaginavam poder terceirizar funcionários da forma como quisessem, reduzir salários e driblar processos trabalhistas, mas viram que não será o mar de rosas que vislumbravam com a ‘maior reforma do setor em 50 anos’”. Gustavo Salgado, executivo do banco japonês Sumitomo Mitsui, ainda completou: “Esse é um ponto crítico que falhou”.

Tais declarações representam a confissão de empresários e do sistema financeiro de que a reforma trabalhista foi construída para diminuir salários, extinguir direitos e restringir o trabalho dos sindicatos, enfraquecendo, consequentemente, a proteção dos trabalhadores. Este último objetivo é diretamente corroborado por John Gontijo, representante da empresa de consultoria tributária Farkouh, Furman & Faccio. De acordo com a Folha, “ele afirma que o grande avanço da reforma trabalhista passa por diminuir o poder dos sindicatos e tornar flexível as relações de patrão e empregado”.

Diante deste cenário, é vital que o movimento sindical continue organizado para barrar as tentativas de cortes dos direitos trabalhistas consolidados. Para a CSB, a responsabilidade aumenta a partir do momento em que forças reacionárias da elite empresarial tentam a todo custo cercear direitos e explorar os trabalhadores.

“Os exploradores são insaciáveis quando o assunto é lucro e açoitar a classe operária. Mas somos fortes o suficiente para aumentar nossa mobilização em todo o País, seja no corpo a corpo ou no embate jurídico para mostrar a todos que se eles querem acabar com os sindicatos e transformar os trabalhadores em escravos, nós estamos aqui para dizer não”, disse o presidente da Central, Antonio Neto.

A Entidade permanece mobilizada, realizando eventos como os Congressos Estaduais (leia mais sobre o Congresso do Rio Grande do Sul e São Paulo), reuniões da Executiva Nacional e os Seminários Jurídicos sobre a Reforma Trabalhista. Veja mais informações abaixo.

Minas Gerais sedia 1º Seminário Jurídico da CSB sobre como enfrentar a reforma trabalhista

Edição gaúcha do Seminário Jurídico será realizada em Gramado

CSB promove Seminário Jurídico sobre a Reforma Trabalhista, em São Paulo

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"