Um novo capítulo na história dos Sindicatos Brasileiros – por Antonio Neto

Por Antonio Neto, presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB)

Na segunda-feira, 11 de setembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela constitucionalidade da cobrança da chamada Contribuição Assistencial para não-filiados aos sindicatos, desde que a mesma seja estabelecida por meio de Convenção Coletiva de Trabalho ou Acordo Coletivo. Isso implica a necessidade de negociação coletiva e aprovação dos trabalhadores para sua instituição, tornando inválido qualquer argumento sobre um retorno do imposto sindical.

Esta decisão representa um sopro de esperança e democracia após seis anos de profunda asfixia financeira e organizacional das entidades sindicais. É evidente que a decisão não resolve o problema do desequilíbrio nas relações trabalhistas causado pela Reforma Trabalhista de 2017, mas sinaliza à sociedade o papel central dos sindicatos na construção de uma nação plural, pujante e independente, princípios da nossa Constituição Cidadã.

Ao contrário do que a grande mídia prega, houve e continua havendo muita autocrítica por parte do movimento sindical. Não estamos pregando uma volta ao passado, mas sim a construção de um novo caminho baseado nas melhores experiências internacionais.

Não podemos esquecer que os sindicatos são compostos em sua maioria por trabalhadores honrados e corajosos que foram vítimas de uma generalização criminosa, resultante de uma aliança entre extremistas e poderosos.

A marginalização do movimento sindical, a prevalência da “negociação” individual sobre o contrato coletivo e a ideia perversa dos “direitos ou emprego” ainda persistem na legislação trabalhista. No entanto, o judiciário deu um importante passo para reverter essa agenda que vigorou no Brasil nos últimos anos. Uma agenda foi imposta sem qualquer diálogo tripartite, como estabelece a Organização Internacional do Trabalho (OIT), resultando em uma absurda precarização das relações trabalhistas e no aumento do trabalho escravo.

É inegável que a derrota dessa agenda nas urnas em outubro passado foi um recado importante do povo brasileiro aos poderes da República. Os trabalhadores não querem perder mais direitos e não desejam arcar com os custos de uma crise em um sistema econômico incapaz de atender às necessidades da dignidade humana. Eles querem mais democracia.

Desde sua posse, o governo do presidente Lula restabeleceu a participação do movimento sindical nos fóruns de debate, recriou o Ministério do Trabalho e conquistou avanços importantes, como a lei de valorização do salário mínimo e a legislação de equidade de gênero no trabalho. No entanto, os marcos trabalhistas regressivos permanecem intactos, promovidos por medidas arbitrárias, tratoraços e orçamentos secretos.

Há, de fato, uma tentativa de corrigir os retrocessos do último período por meio de diálogo na mesa tripartite, visando a valorização da negociação coletiva e o fortalecimento do movimento sindical. É a partir dessa construção que o governo federal busca virar a página de um período em que a democracia deu lugar a um consórcio antipovo estabelecido para tomar o poder.

Que a vitória dos sindicatos e da sociedade brasileira não seja apenas um momento passageiro, mas sim um tempo de normalidade duradouro em que o coletivo prevaleça sobre o individual. Que a luz da democracia não ceda espaço ao autoritarismo e que os trabalhadores reconquistem seu papel de protagonistas em uma nação justa, democrática, soberana e sustentável.

Saiba mais: Com voto de Moraes, STF forma maioria a favor da contribuição assistencial; entenda

Compartilhe:

Leia mais
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto sobre Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto