bolsa-familia-scaled-

Taxar ricos para financiar política social elevaria PIB em 2,4%, diz estudo

Renda para os 30% mais pobres.Taxar a população 1% mais rica. Sem endividamento do governo

Uma política para elevar a tributação do 1% mais rico do país, com a transferência de R$ 125 por mês para os 30% mais pobres poderia elevar o PIB (Produto Interno Bruto) em 2,4%. É o que conclui estudo do Made-USP (Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da Universidade de São Paulo).

De acordo com o estudo lançado nesta 2ª feira (15.fev.2021), cada R$ 100 transferidos do 1% mais rico para os 30% mais pobres levariam a uma expansão de R$ 109 na economia. Eis a íntegra (297 KB) da Nota de Política Econômica.

Um dos principais motivos para o aumento do PIB com a transferência de renda é que, segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2017-2018, os 10% mais pobres gastam 87% de suas rendas em consumo, enquanto que o 1% mais rico gasta apenas 24%.

Enquanto uma transferência de R$ 1,00 de renda adicional para os 10% mais pobres resultaria, em média, em uma alocação média de R$ 0,87 em consumo, para o 1% mais rico esse valor seria de apenas R$ 0,24, sendo a maior parte convertida em poupança”, explica o estudo.

Isso ocorre porque, como outras pesquisas já indicaram, a parcela mais pobre da população brasileira tem dificuldades consideráveis de conseguir se manter e comprar itens básicos, como alimentos. “Dessa forma, não é nada surpreendente que uma transferência de renda destinada aos mais pobres tenha um efeito significativamente maior sobre o consumo do que uma que abarque os mais ricos”.

O estudo focou em como o governo brasileiro poderia manter programas de proteção social fiscalmente neutros, ou seja, que não elevassem o deficit público. Os cálculos mostraram que uma expansão do Bolsa Família ou a prorrogação do auxílio emergencial que fosse financiado pela taxação dos mais ricos traria crescimento econômico para o Brasil.

É possível perceber que uma transferência feita do topo para a base da pirâmide é capaz de elevar o nível de consumo agregado e, por consequência, o produto da economia, em um contexto de capacidade produtiva ociosa [desemprego]”, analisa a publicação. Segundo os últimos dados divulgados pelo IBGE, o Brasil conta com 14 milhões de desempregados.

O estudo da USP mostra que se cada pessoa dos 30% mais pobres recebesse R$ 125 com dinheiro de impostos do 1% mais rico, a economia cresceria 2,5%, com possibilidade de criação de empregos e recuperação da economia sem o endividamento do governo. No entanto, o modelo proposto esbarra no teto de gastos, que limita o gasto governamental independentemente do quanto arrecada com impostos.

Fonte: Poder 360

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra