sindicatos-defendem-revisao-da-reforma-trabalhista-reuniao-com-haddad

Em reunião com Haddad, Antonio Neto defende revisão da Reforma Trabalhista

Antonio Neto defende revisão da Reforma Trabalhista – O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, recebeu representantes da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e outras centrais sindicais em São Paulo nesta sexta-feira (3). Dentre os participantes estava o presidente da CSB, Antonio Neto, que aproveitou a oportunidade para expor as preocupações e reivindicações dos trabalhadores.

Durante o encontro, Antonio Neto defendeu a revisão da reforma trabalhista como forma de aumentar a formalidade do mercado de trabalho e fortalecer os sindicatos como entidades de fiscalização. Ele destacou a importância dos sindicatos na fiscalização da fraude fiscal, previdenciária e contra o FGTS.

Para ele, a reforma trabalhista enfraqueceu a posição dos trabalhadores e dos sindicatos no mercado de trabalho, dificultando a fiscalização e a proteção dos direitos trabalhistas.

Após a aprovação da reforma trabalhista em 2017, cresceram as denúncias de empresas que utilizam meios fraudulentos para sonegar impostos e contribuições previdenciárias.

Segundo dados do Ministério Público do Trabalho, desde então, houve um aumento expressivo nas fraudes contra o FGTS e na Previdência Social, o que prejudica diretamente os trabalhadores e a economia do país.

O fortalecimento das entidades sindicais, como proposto por Antonio Neto, pode ajudar a combater essas práticas ilícitas, fiscalizando e denunciando empresas que descumprem a legislação trabalhista e previdenciária. Por isso a necessidade de que seja feita uma revisão da reforma trabalhista.

Justiça fiscal para os trabalhadores

Além disso, Neto propôs a isenção de imposto sobre a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) dos trabalhadores. Segundo ele, é uma injustiça os trabalhadores serem tributados enquanto os patrões são isentos da cobrança de impostos sob lucros e dividendos.

Outra proposta apresentada pela CSB foi a atualização da tabela de renda, que está defasada. A entidade defende que a atualização é necessária para corrigir distorções e garantir maior justiça tributária.

As Centrais Sindicais também criticaram a composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão responsável por julgar recursos de empresas em questões tributárias.

De acordo com os sindicatos, o Carf está desequilibrado, com a maioria dos membros sendo representantes de empresas e poucos representantes dos trabalhadores.

Essa situação tem gerado desconfiança sobre a imparcialidade do órgão e suspeitas de que as decisões do Carf estejam favorecendo os interesses empresariais em detrimento dos direitos trabalhistas.

Diante desse cenário, sindicatos e movimentos sociais pediram mudanças na composição do Carf, com o objetivo de garantir uma participação mais equilibrada de empresários e trabalhadores nas decisões do órgão.

Juros altos

Durante a reunião, os sindicalistas também reclamaram da taxa de juros praticada pelo Banco Central, que tem prejudicado a economia do país e aumentado o endividamento dos trabalhadores. Eles prometeram realizar protestos em frente ao Banco Central para pressionar por mudanças na política econômica do governo.

O presidente da CSB defendeu ainda que as centrais sindicais pressionem os congressistas pela criação de uma lei de usura, que foi tema de um projeto de lei apresentado recentemente pelo senador Cid Gomes.

Após fazer pesadas críticas ao atual nível da taxa básica de juros da economia brasileira, Neto disse que não é possível que a Selic esteja em 13,75% ao ano e que as taxas do rotativo dos cartões de crédito e lojas de departamentos estejam oscilando ao redor dos 400% ao ano.

“As lojas de departamentos não são mais vendedoras de produtos, mas de juros. São verdadeiras financeiras”, criticou.

Haddad se mostrou receptivo às propostas apresentadas pelas centrais sindicais e afirmou que irá estudá-las com atenção. Ele ressaltou a importância do diálogo entre o governo e os trabalhadores para encontrar soluções para os problemas enfrentados pelo país.

Leia também: Em reunião, centrais sindicais elegem pautas prioritárias para os trabalhadores

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO