Senador critica juros altos e oferece boné de banco a Campos Neto: “Pede pra sair”

Senador critica juros altos e oferece boné de banco a Campos Neto – O senador Cid Gomes (PDT-CE) questionou o patamar da taxa básica de juros (Selic) – hoje em 13,75% – ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, durante audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal nesta terça-feira (25).

A exposição do senador chamou atenção, pois ele utilizou uma lousa e um giz para ilustrar como a lógica dos juros no Brasil contrária até o que é feito nos Estados Unidos, que Cid utilizou como exemplo porque, segundo disse, o país é considerado a “Meca do capitalismo” por atores do mercado como Campos Neto.

Na comparação feita na lousa, Cid utilizou números de inflação, taxa de juros e desemprego nos dois países em 2022.

O Federal Reserve, órgão equivalente ao Banco Central nos Estados Unidos, elevou os juros para a taxa mais alta de sua história, 4,5%, para combater uma inflação de 6,5%. Ou seja, os juros reais fecharam o ano em 2%. Já o desemprego foi de 3,5%.

Já o Brasil, mesmo com uma inflação mais baixa, de 5,8%, viu os juros subirem gradualmente de 10,75% em fevereiro de 2022, até 13,75 a partir de agosto, patamar mantido desde então. Enquanto isso, o desemprego foi bem alto, encerrando o ano em 9,3%.

“Essa questão recebe um agravante doído porque quem sofre com a inflação é o trabalhador assalariado. A elite, os rentistas, têm como se proteger, o governo se protege porque os preços são reajustados e os tributos são em cima dos preços. No final quem sofre é o assalariado que começa ganhando 100 e termina ganhando 30”, argumentou.

Para o senador, Campos Neto não apenas não tem justificativa sólida para os juros altos, como deveria pedir para sair por não cumprir aquela que é sua função constitucional: perseguir a meta de inflação a pleno emprego.

“Pegue seu boné e peça para sair”, disse ele, oferecendo um boné com o logo do banco Santander ao presidente do BC.

Campos Neto trabalhou no Santander durante quase 20 anos, até que saiu para assumir a presidência do Banco Central.

“Robin Hood às avessas”

O senador explicou ainda que a Selic em 13,75% incide também na dívida pública brasileira, que é de R$ 7,3 trilhões. Como a maior parte da dívida está atrelada à taxa Selic, a União pagou, em 2022, R$ 802 bilhões com a dívida.

“Se o Brasil praticasse a taxa de juros dos Estados Unidos, teríamos dispendido R$ 292 bilhões com a dívida. Isso significa uma economia de R$ 510 bilhões, dinheiro que vai parar na conta dos beneficiários dos rentistas. Isso é o Brasil fazendo o papel de Robin Hood às avessas e tirando dos mais pobres para dar aos mais ricos”.

De acordo com o senador, esses mais de 500 bilhões de diferença seriam suficientes para:

  • Elevar o salário-mínimo em 180%, para um valor em torno de R$ 4 mil;
  • Triplicar o valor do Bolsa-Família, passando de R$ 750 em média, para R$ 2.100;
  • Resolver, em dois anos, o déficit habitacional brasileiro, com a construção de 3,6 milhões de habitações por ano; ou
  • Construir 134 mil escolas por ano, universalizando em três anos o ensino em tempo integral.

Juros também comprometem investimentos privados

Cid ressaltou ainda que a alta taxa de juros além de comprometer as finanças públicas, compromete a disposição do setor privado de investir, gerando inflação.

“Sou social-democrata, acredito na força e na importância da iniciativa privada, mas, com essa taxa de juros, a iniciativa privada pensa dez vezes antes de investir em um negócio. O melhor negócio hoje no Brasil é vender o seu negócio e investir em uma aplicação financeira, aumentando o desemprego e a inflação”, afirmou.

Fonte: Brasil Independente

Leia também: Em ato contra juros altos, CSB cobra revogação das maldades da Reforma Trabalhista

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"