Sem reajuste em 2024, servidores federais planejam greves e mobilizações

Diversas categorias do serviço público federal estão paralisadas ou em mobilização devido ao impasse sobre o reajuste salarial de 2024. Após anos de congelamento e com perdas inflacionárias acumuladas desde 2010, o governo concedeu reajuste linear de 9% aos servidores federais no ano passado com o compromisso de que em 2024 seria possível reservar mais espaço no orçamento.

Quando o orçamento para este ano foi apresentado, não havia previsão de qualquer reajuste salarial, apenas aumento no vale-alimentação, auxílio-creche e saúde, que foi rechaçado pelos trabalhadores principalmente porque a proposta exclui os aposentados.

Relacionada: Centrais e outras entidades apresentam proposta unificada de reajuste para servidores federais

Apenas algumas categorias conseguiram fechar acordos com outras melhorias com o governo, como os servidores da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e da Receita Federal, que realizou uma greve que durou mais de três meses.

Os acordos celebrados com alguns, no entanto, irritou as demais categorias.

Categorias em greve ou mobilizadas

Nesta quarta-feira (3), servidores dos institutos federais paralisaram as atividades em cerca de 320 das 648 unidades. A ordem agora é que sejam mantidas apenas atividades essenciais, como pagamento de bolsas a estudantes carentes, e suspender atendimentos administrativos e programas sociais.

Para 11 de abril está marcada a paralisação dos técnicos das universidades e, em 15 de abril, começa o indicativo de greve dos professores do ensino superior da rede federal.

Outras 12 categorias estão em mobilização ou em operação-padrão, incluindo servidores do Banco Central, da Abin, Ibama, ICMBio, Tesouro Nacional, auditores-fiscais do Trabalho e agropecuários.

Além disso, os servidores devem realizar uma marcha nacional em Brasília em 17 de abril.

Crédito extra

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) afirma que o arcabouço fiscal criado pelo governo não permite a concessão de reajuste este ano, a não ser que haja a liberação de crédito extra no final de maio. Há a expectativa de que mais R$ 15 bilhões sejam liberados caso a arrecadação seja maior do que o projetado no ano passado.

Se liberada, porém, a verba será disputada por diversas forças: o Congresso Nacional quer a recomposição de R$ 5,6 bilhões em emendas parlamentares que foram vetadas por Lula, enquanto o governo quer reverter o bloqueio de R$ 2,9 bilhões sobre despesas de custeio e investimentos.

“O governo precisa colocar dinheiro para a reestruturação das carreiras de educação e docentes. Queremos disputar o dinheiro que está na mão do governo neste momento e o dinheiro que estará na LOA [Lei Orçamentária Anual] de 2025”, afirmou David Lobão, coordenador-geral do Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica).

Segundo apuração da Folha, o movimento grevista na Educação preocupa o governo, que teme que as demais categorias sejam inflamadas e também paralisem as atividades.

Reajuste nos auxílios

Apesar de terem recusado a proposta que previa aumento apenas nos auxílios, as entidades representativas dos servidores cobram que ele seja pago já que o dinheiro para isso já está reservado no Orçamento.

O governo tem R$ 1,5 bilhão reservado no Orçamento para conceder reajuste aos servidores e propôs usar a verba para aumentar o auxílio-alimentação de R$ 658 para R$ 1 mil a partir de maio.

O valor, no entanto, ainda não se equipara aos R$ 1.393 pagos para os servidores do Legislativo e do Judiciário, sendo a equiparação dos benefícios uma das grandes demandas dos funcionários do Executivo.

O Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas do Estado) enviou um ofício ao MGI na segunda-feira (1º) pedindo que o ministério tome as providências necessárias para implementação imediata do reajuste dos benefícios. O Fonasefe (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais) também enviou documento semelhante.

Já o reajuste depende da liberação do crédito extra.

O que diz o governo

O MGI diz já ter assinado dez acordos específicos e que há oito negociações em andamento, inclusive com servidores de Ibama e ICMBio e da Educação, que estão mobilizados.

“Especificamente para a carreira educacional, os Ministérios da Gestão e da Educação criaram um grupo de trabalho para tratar da reestruturação. O relatório final, entregue no dia 27 de março à ministra Esther Dweck, servirá como insumo para a proposta do governo de reestruturação da carreira, que será apresentada aos servidores na mesa específica de negociação”, diz a pasta.

Com informações de: Folha de S.Paulo

Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"