Salário mínimo deveria ser de R$ 6,5 mil, aponta Dieese; valor atual é R$ 1.302

Após mais um estudo sobre o preço da cesta básica em diversas regiões do país, o Dieese concluiu que o salário mínimo ideal seria de R$ 6,5 mil. A mais recente Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA) foi divulgada nesta quinta (9). 

O valor foi calculado a partir da análise dos custos da cesta básica, somados às despesas com saúde, moradia, educação, higiene, transporte, lazer, previdência e vestuário.  

A partir disso, os pesquisadores concluíram que seria necessário um salário mínimo de ao menos R$ 6,5 mil para sustentar uma família com quatro pessoas. 

Esse valor é cinco vezes maior do que o atual piso nacional, que em 2023 é de R$ 1.302, evidenciando uma discrepância que vem sendo registrada há anos.  

Preço da cesta básica caiu 

A pesquisa do Dieese também revelou que, das 17 capitais avaliadas, em 13 o valor da cesta básica teve queda no último mês.  

A maior redução foi registrada em Belo Horizonte (-3,97%), seguida pelo Rio de Janeiro (-3,15%) e Campo Grande (-3,12%). Por outro lado, Belém teve a maior alta nacional (1,25%), seguida por Natal (0,64%) e Salvador (0,34%). 

A cidade com a cesta básica mais cara é São Paulo, com o valor de R$ 779,38, enquanto Aracaju é o local mais barato para aquisição dos mesmos produtos, com R$ 552,97. Ou seja, uma diferença de mais de R$ 200. 

O óleo de soja, o tomate e o café em pó foram os alimentos que apresentaram as maiores quedas no preço, enquanto o feijão, o arroz e o leite tiveram as maiores elevações. 

Valorização do salário mínimo 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já confirmou que o governo pretende aumentar o salário mínimo para R$ 1.320, valor que havia sido prometido no fim do ano passado, durante a transição. 

O aumento acabou sendo adiado pois a inflação ficou abaixo do previsto e, então, o valor atual de R$ 1.302 que foi aprovado no orçamento do ano passado acabou representando uma valorização real, ou seja, além do reajuste apenas pela inflação. 

A intenção agora é elevar essa valorização, porém ainda bem abaixo do patamar ideal apontado pelo Dieese. 

O governo estuda também estabelecer uma política permanente de valorização do salário mínimo, que leve em consideração o crescimento do país.  

O tema está sendo discutido por um grupo de trabalho que reúne 7 representantes do governo – cada um de um ministério diferente – e 7 representantes de sindicatos, sendo uma vaga para cada uma das seis maiores centrais sindicais, e uma para as demais centrais. 

Compartilhe:

Leia mais
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande