Comissão aprova projeto que prioriza julgamento de casos de trabalho análogo à escravidão

Um projeto de lei que dá prioridade a processos envolvendo casos de trabalho análogo à escravidão foi aprovado nesta quarta-feira (8) na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados.

O texto aprovado é um substitutivo apresentado pelo deputado André Janones (Avante-MG) ao PL 702/23, do deputado Túlio Gadêlha (Rede-PE). De acordo com o projeto, esses processos terão prioridade de análise em todas as instâncias da justiça.

A votação teve caráter conclusivo, ou seja, seguirá diretamente para o Senado caso não haja recurso para ser análise no plenário da Câmara.

Veja também: Trabalho análogo à escravidão cresce 233% no campo e 50,8% na cidade em dois anos; entenda

Hoje, o Código de Processo Penal (Lei 3.689/41) dá prioridade ao julgamento de crimes hediondos, como homicídio qualificado, estupro, genocídio e tráfico internacional de arma de fogo.

De acordo com o Decreto-Lei 2.848/40 do Código Penal, reduzir alguém à condição análoga à de escravo inclui práticas como submeter a pessoa a trabalhos forçados ou à jornada exaustiva, sujeitar o trabalhador a condições degradantes e restringir sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador. A pena é de reclusão de dois a oito anos e multa, além da pena correspondente à violência.

Durante a deliberação, Janones lembrou que o Brasil é signatário de diversos acordos internacionais contra o trabalho escravo.

“Esse crime transcende as fronteiras do abominado passado escravagista que permeia inúmeros países, persistindo infelizmente até os dias atuais, razão pela qual demanda do Estado uma vigorosa e célere repressão”, afirmou.

Já Gadêlha defendeu a importância da proposta ressaltando o número elevado de trabalhadores que ainda são resgatados em condições análogas a de escravo.

“De 1995 para cá, todos os anos, resgatamos uma média de 2.200 trabalhadores em condições análogas à escravidão”, disse o deputado.

Segundo relatório da Comissão Pastoral da Terra divulgado em outubro, foram resgatadas 1.408 pessoas de trabalho análogo à escravidão no campo apenas no primeiro semestre de 2023.

“O que nós pedimos aqui é apenas que haja mais celeridade para punição de crimes cometidos contra a pessoa humana. O trabalho análogo à escravidão existe no Brasil, nos grandes cafezais, nos grandes engenhos de cana-de-açúcar, nas grandes plantações de cacau. Existe dentro da casa de muitos brasileiros, porque a empregada doméstica, o empregado doméstico, muitas vezes não tira férias, é submetido a condições precárias de trabalho com assédio moral, com todo o tipo de assédio, principalmente as mulheres”, argumentou.

Com informações de Agência Câmara de Notícias

Foto: Ministério do Trabalho

Compartilhe:

Leia mais
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto sobre Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto