Precarização do trabalho em apps é tema de encontro na CSB com sindicalistas dos EUA

A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) recebeu nesta quarta-feira (18) a visita de sindicalistas norte-americanos para avançar no processo de colaboração entre os dois países no combate à precarização do trabalho, especialmente a situação do trabalho em apps.

O presidente da CSB, Antonio Neto, recepcionou a delegação de sindicalistas dos Estados Unidos e falou que as megaempresas – em maioria multinacionais estrangeiras – não estão acima da lei brasileira.

O encontro ocorreu no Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação de São Paulo (Sindpd-SP), na região central da capital paulista. A entidade também é presidida por Neto e representa quase 200 mil trabalhadores de TI, sendo o maior sindicato de profissionais do setor da América Latina.

“O que nós queremos é que empresas como iFood, Uber, 99, Rappi, entre outras, respeitem a legislação trabalhista do Brasil. Ou respeita, ou ‘bye, bye’”, disse Neto, arrancando risadas dos presentes.

O líder sindical brasileiro lembrou que a Reforma Trabalhista de 2017 retirou direitos de trabalhadores e asfixiou o movimento sindical, trazendo enormes prejuízos para as relações de trabalho no país. Neto acrescentou que, atualmente, o governo discute uma reforma sindical – em conjunto com as centrais sindicais e representantes patronais – para financiar as estruturas das entidades responsáveis por proteger os trabalhadores.

O encontro entre os presidentes Lula e Joe Biden realizado em setembro em Nova York, para o lançamento da Parceria pelos Direitos dos Trabalhadores, abriu uma janela de oportunidade para aproximar sindicalistas brasileiros e norte-americanos. Na ocasião, Antonio Neto foi convidado e representou a CSB na delegação brasileira nos EUA.

Relacionada: Lula e Biden fazem história na defesa do trabalho digno e dos sindicatos

Shawna Bader-Blau, diretora-executiva do Solidarity Center – maior organização de direitos dos trabalhadores do mundo e ligada à federação de sindicatos dos Estados Unidos AFL-CIO (American Federation of Labor and Congress of Industrial Organizations) -, levantou a hipótese de Biden e Lula liderarem um processo que obrigue as empresas de aplicativo a abrirem seus algoritmos para escrutínio público.

Gonzalo Martinez de Vedia, diretor de projetos no Brasil da Solidarity Center, agradeceu a oportunidade de aprender mais sobre as relações de trabalho no Brasil.

“Tem sido importante esse intercâmbio para aprender mais sobre as questões trabalhistas no Brasil, aliás, um país que detém 1/5 dos motoristas de Uber do mundo”, pontuou.

Assessor da Secretaria de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego, Carlos Grana marcou presença no encontro e explicou o processo de negociação, em Brasília, sobre a regulamentação da categoria de entregadores e motoristas por aplicativo.

Grana explicou que o governo Lula montou um Grupo de Trabalho (GT) tripartite – com representantes do governo, dos empregadores e dos trabalhadores – para negociar a redação de um projeto de lei a ser apresentado ao Congresso Nacional.

Alguns integrantes do GT estiveram presentes no encontro desta quarta, entre eles Nicolas Souza Santos, membro da Associação de Motoboys, Motogirls e entregadores de Juiz de Fora e integrante da Aliança Nacional dos Entregadores de Aplicativos (ANEA), que foi indicado pela CSB para integrar o GT.

Membros do GT, Carina Trindade, presidente e fundadora do Sindicato dos Motoristas de Aplicativos do Rio Grande do Sul (SIMTRAPLI-RS) e Rodrigo Lopes, presidente do Sindicato dos Motoboys e Bicicletas de Aplicativos de Pernambuco (SEAMBAPE), também estiveram no encontro com os americanos.

Com a recusa das empresas em reconhecer o vínculo empregatício com entregadores e motoristas, a negociação atingiu um impasse, o que deve levar o governo a ter de arbitrar sobre a questão. Um valor mínimo a ser pago aos trabalhadores, além de medidas que garantam a saúde e a segurança dos entregadores e motoristas são prioridades para o governo.

“A tecnologia tem que melhorar a vida das pessoas, e não o contrário, não precarizar a vida delas, que é o está acontecendo no Brasil”, afirmou Grana.

Fotos: Imprensa CSB

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social