INSS

Por maior que seja o salário, valor do benefício no INSS frustra contribuinte

Quanto mais cedo o trabalhador se aposentar, menor será o benefício, uma vez que irá recebê-lo por mais tempo.

Quem espera o momento da aposentadoria para deixar de trabalhar e curtir a velhice terá uma surpresa desagradável se for depender apenas do benefício do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Por maior que tenha sido o salário do trabalhador, o valor do benefício previdenciário irá decepcionar.

O primeiro ponto que todo segurado deve atentar é para o teto previdenciário, o valor máximo pago pelo INSS. Hoje, ele é R$ 3.916,20 –mesmo para o trabalhador que receba R$ 10 mil de salário.

A boa notícia é que a contribuição previdenciária também é limitada ao teto; o desconto no holerite não passa de R$ 430,78 (11% do teto).

O segundo ponto –e o mais importante– é o fator previdenciário, índice aplicado no cálculo das aposentadorias que reduz substancialmente o valor do benefício.

Um homem com 35 anos de contribuição (mínimo exigido na aposentadoria) e 60 anos de idade, por exemplo, terá fator de 0,86631. Isso quer dizer que sua aposentadoria será igual a 86,631% de sua média salarial (veja exemplos no quadro).

Isso ocorre porque o fator varia de acordo com a idade do segurado, seu tempo de contribuição e a expectativa de sobrevida do beneficiário.

A lógica é: quanto mais cedo ele se aposentar, menor será o benefício porque irá recebê-lo por mais tempo.

Quando o fator é maior que 1, o benefício aumenta, mas isso só ocorre quando o pedido de aposentadoria é feito com mais idade ou com tempo maior de contribuição.

Sem programação

Apesar dessa possibilidade, o trabalhador não consegue programar uma aposentadoria mais benéfica se adiar o pedido do benefício para usar um fator melhor.

Isso ocorre porque a tabela muda todo ano, para pior. A alteração ocorre sempre no começo de dezembro.

A mudança, calculada pelo IBGE, considera a expectativa de sobrevida da população. Na divulgação da tabela usada atualmente, o IBGE calculava uma expectativa de vida do brasileiro ao nascer em 73 anos, 5 meses e 24 dias.

Segundo Newton Conde, atuário especializado em previdência, diretor da Conde Consultoria, no período de idade em que se concedem aposentadorias, ou seja, dos 41 aos 80 anos, a expectativa de vida aumentou, em média, 41 dias entre 2009 e 2010.

Pela tábua anterior, a expectativa de vida de um homem de 50 anos, por exemplo, era de 29,00 anos a mais. Na tábua em vigor atualmente passou para 29,20. Com isso, a Previdência pagará o benefício para o segurado até os 79,20 anos e não mais 79,00, um aumento de 71 dias no desembolso do governo federal.

Neste ano a mudança deve ser ainda mais brusca, já que a nova tabela será calculada com base nos resultados do último Censo.

Para a advogada especialista em Previdência Social Marta Gueller, do Gueller, Portanova e Vidutto Sociedade de Advogados, contudo, essa alteração não representará uma grande perda financeira. “O problema é o impacto a longo prazo”, diz.

Fonte: Folha de S.Paulo

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra