oit-pedira-que-tribunal-em-haia-decida-sobre-direito-greve

Com apoio do Brasil, OIT pedirá que tribunal em Haia decida sobre direito à greve

O Conselho da Organização Internacional do Trabalho (OIT) decidiu que pedirá que a Corte Internacional de Justiça em Haia chegue a uma definição jurídica sobre o direito à greve. O Brasil votou a favor da decisão, alterando o posicionamento adotado pelo país durante o governo Bolsonaro.

O direito de greve é motivo de controvérsia na OIT há décadas, já que a organização tem formação tripartite e igualitária de representações de governos, trabalhadores e empregadores.

Desta forma, nunca foi possível chegar a um consenso internamente sobre a questão, com a divisão entre governos que apoiam os trabalhadores e governos alinhados aos empregadores. Agora, a tentativa é dar um fim ao embate pedindo que a Corte Internacional – o mais alto tribunal da ONU – arbitre sobre o assunto.

Leia: Presidente da CSB denuncia big techs no Brasil em encontro com diretor-geral da OIT

A votação foi realizada no fim de semana durante sessão especial na 349ª reunião do Conselho da OIT. Foram 33 fotos favoráveis a levar o caso a Haia, incluindo Brasil, Argentina e países da União Europeia, e 21 contra, com China, Rússia e toda a bancada dos empregadores.

Em 31 de agosto, o diretor-geral da OIT, Gilbert Houngbo, enviou uma carta a todos os Estados membros da organização informando que convocaria a reunião especial para decidir se o caso seria ou não levado para a corte em Haia.

Conforme informou o colunista Jamil Chade, no UOL, essa solicitação sem precedentes de encaminhar uma disputada para o tribunal despertou a fúria do grupo dos empregadores na OIT, porém aqueles a favor da medida lembraram que o diálogo não foi capaz de superar a disputa.

Em comunicados diplomáticos obtidos pelo colunista, representações de países como Brasil, Argentina, Barbados, África do Sul e Noruega afirmaram que “após mais de uma década de tentativas fracassadas de encontrar uma solução, ter clareza jurídica tornou-se uma questão de urgência”.

Em julho, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, enviou uma carta deixando claro o posicionamento do governo brasileiro e enfatizou a urgência de se chegar a um entendimento em torno do tema.

“Entendemos que, sem uma certeza legal, essa disputa continuará a ter um impacto danoso para o sistema de supervisão, a credibilidade da OIT e implementação de padrões trabalhistas”, escreveu.

Contexto da disputa

A questão que se discute diz respeito à interpretação da Convenção 87 da OIT, que assegura a liberdade de associação e a proteção do direito de organização.

Desde que foi adotada, em 1948, o Comitê de Peritos na Aplicação de Convenções e Recomendações da OIT, um órgão independente e amplamente respeitado, tem sustentado que o direito de greve é uma decorrência lógica da Convenção 87, mesmo sem menção direta à greve.

A interpretação, então, tem sido incorporada tanto em jurisdições internacionais quanto nacionais, mas não sem questionamento.

Veja também: CSB na OIT: sessão contra trabalho infantil com Nobel da Paz e encontro com embaixador

A partir do final dos anos 1980, incentivados pela revolução neoliberal de Ronald Reagan (presidente dos Estados Unidos) e Margareth Thatcher (primeira-ministra do Reino Unido), empregadores passaram a questionar cada vez mais a interpretação do Comitê.

A tensão chegou ao ápice durante a Conferência Internacional do Trabalho de 2012, interrompendo o processo de discussão. Registros revelam que a Confederação Sindical Internacional acusou os empregadores de “tentar minar um dos mecanismos de direitos humanos mais eficazes do sistema de direitos humanos”.

Com informações de UOL

Foto: Violaine Martin / OIT

Compartilhe:

Leia mais
Anea denuncia Ifood Nicolas Souza
Aliança de Entregadores apresenta denúncia contra Ifood por violação de direitos humanos
rodoviários pelotas assembleia expresso embaixador
Rodoviários de Pelotas: funcionários da Expresso Embaixador discutem flexibilização da CCT
Sindplay Sindpd Sindimais
Projeto de qualificação profissional do Sindpd-SP é finalista do prêmio SindiMais; confira
agenda jurídica das centrais sindicais no stf 2024
Centrais lançam guia de ações relevantes para os trabalhadores em tramitação no STF
Pauta da Classe Trabalhadora 2024
Centrais atualizam Pauta da Classe Trabalhadora e estabelecem prioridades para próximos anos
enchente porto alegre propostas centrais
Centrais elaboram propostas para enfrentar crise no RS e de prevenção a futuras catástrofes
manifestação 22 de maio Brasília
Sindicatos de todo o país vão a Brasília para ato em defesa da Pauta da Classe Trabalhadora
CSB no Grito da Terra 2024
Mais de 10 mil agricultores familiares participam do 24ª Grito da Terra em Brasília
Greve metalurgicos renault
Centrais sindicais dão apoio à greve dos metalúrgicos da Renault no Brasil
Campanha CSB-RS doações locais isolados
CSB-RS faz campanha para atender locais isolados atingidos pelas enchentes