Luiz Marinho comenta decisão do STF sobre contribuição assistencial: “ajuda no debate”

Ministro comenta decisão do STF sobre contribuição assistencial – O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, comentou nesta quarta-feira (13) a decisão do Supremo Tribunal Federal de considerar constitucional a cobrança da contribuição assistencial a todos os trabalhadores de uma categoria, sindicalizados ou não. Para ele, o entendimento “ajuda no debate”, mas a matéria é um tema que deve ser debatido no Parlamento.

A contribuição assistencial só é realizada quando um sindicato fecha um acordo coletivo ou convenção coletiva, ou seja, quando presta um serviço que valerá para a toda a categoria, não apenas para os sindicalizados. Desta forma, as entidades argumentam que não é justo que apenas os trabalhadores associados aos sindicatos sustentem as atividades que beneficiarão a todos.

Saiba mais: STF decide a favor da contribuição assistencial a sindicatos; saiba o que muda

Após a reforma trabalhista de 2017, foi extinto o imposto sindical e, apesar de a contribuição ainda existir e constar nos termos de diversas CCTs, questionava-se no Supremo se sua cobrança aos não sindicalizados não afrontava a reforma, o que foi rejeitado pela Corte.

“A decisão do Supremo ajuda no debate, mas, na minha opinião, não resolve totalmente. Não sei qual vai ser a modulação, porque agora tem a modulação da decisão. Acho também que o Congresso tem que legislar mais. Reclamam de o Supremo estar legislando e que outras instituições estão legislando, porque há ausência do Parlamento na legislação. Esse é um tema legislativo”, disse em entrevista ao programa “Bom Dia, Ministro”, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Este é justamente um dos principais pontos em discussão no Grupo de Trabalho da Negociação Coletiva, em que centrais sindicais e entidades patronais buscam um consenso sobre o financiamento dos sindicatos de ambas as partes.

A intenção é criar a minuta de um projeto de lei com os termos específicos de como e quanto seria a contribuição assistencial, além de outras questões relacionadas à administração e estrutura dos sindicatos.

“Quando se fala em sindicatos, muitas vezes o pessoal só olha para os sindicatos dos trabalhadores. Os sindicatos representam partes, trabalhadores e empregadores. É fundamental que os sindicatos sejam representativos para produzir bons produtos. Quais são esses produtos? Contratos coletivos, acordos coletivos, convenções coletivas que trazem o conjunto das cláusulas sociais, econômicas, você pode debater questão ambiental, segurança, saúde, condições de trabalho de cada segmento da economia brasileira”, explicou.

Para o ministro, a precarização dos sindicatos ocorrida desde a reforma fragilizou a democracia, tendo em vista seu papel na sociedade de luta pela melhoria das condições de vida dos trabalhadores e de sua comunidade.

“É importante ter noção do papel que os sindicatos representam na sociedade. Seguramente, sindicatos frágeis enfraquecem a democracia. E aí ocorre o que assistimos no dia 8 de janeiro deste ano. Uma democracia que se preze seguramente, uma democracia verdadeira tem sindicatos representativos”, defendeu.

 Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Leia também: Um novo capítulo na história dos Sindicatos Brasileiros – por Antonio Neto

Compartilhe:

Leia mais
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto sobre Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto