Justiça do Trabalho faz 75 anos em meio a pressão por mudanças

A Justiça do Trabalho completa 75 anos em um momento delicado da sua história. Com um orçamento menor do que o esperado, tenta conciliar funcionários e empresas em meio a pressões por uma modernização das leis trabalhistas. Mudanças que dividem empregados e patrões ­ que reclamam de um protecionismo exacerbado ­ e não geram consenso nem entre os ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Enquanto o presidente Ives Gandra Martins Filho defende abertamente a modernização da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e a prevalência de acordos coletivos, a maioria dos ministros critica a flexibilização dos direitos dos trabalhadores. Mas à medida que evoluem as discussões, os magistrados acompanham decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) favoráveis aos acertos feitos entre empresas e sindicatos e que reformam entendimentos do TST.

Os que exigem mudanças apresentam uma alta conta para as empresas: R$ 17 bilhões em 2015 ­ o valor pago em ações trabalhistas. Para o Ministério Público do Trabalho (MPT), porém, ainda é financeiramente “vantajoso” para as empresas descumprirem leis trabalhistas.

Em meio às pressões, a Justiça do Trabalho luta para manter sua estrutura. Neste ano, foi surpreendida por um orçamento menor que o solicitado, de R$ 16 bilhões, e uma justificativa incomum do relator­geral do orçamento da União para 2016, deputado Ricardo Barros (PP­PR), para a redução do valor inicial, de R$ 18 bilhões. “O próprio relator colocou que, como a Justiça do Trabalho estava mais prejudicando que colaborando com as relações do trabalho, não merecia um orçamento tão ampliado”, afirma o ministro Ives Gandra Martins Filho.

O corte orçamentário foi questionado pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra). Para a entidade, a Lei Orçamentária Anual deste ano (Lei nº 13.255) teria conferido “tratamento político­legislativo escancaradamente discriminatório à Justiça do Trabalho, como forma de ‘enquadrá­la’ e de adverti­la acerca dos supostos ‘excessos’ de seus julgados em detrimento do patronato brasileiro”. Segundo a entidade, houve desvio de finalidade na atividade legislativa. O pedido, porém, não prosperou no Supremo Tribunal Federal (STF). Só por meio de uma medida provisória, a Justiça do Trabalho conseguiu ampliar seu orçamento.

Os recursos mantêm em funcionamento um sistema que recebeu 3,5 milhões de novos casos em 2015, de acordo com o Relatório Analítico da Justiça do Trabalho. Os assuntos mais recorrentes foram aviso prévio, multa pelo não pagamento de verba rescisória, multa de 40% do FGTS e horas extras. “A demanda nos leva a pensar por que esse ramo da Justiça é tão procurado”, diz o procurador­geral do trabalho, Ronaldo Curado Fleury. “Penso que o problema não está na Justiça do Trabalho, mas na falta de fiscalização do trabalho.”

Segundo o procurador­geral, o déficit de auditores do trabalho está em torno de 30%. A visão de que a Justiça do trabalho protege demasiadamente os trabalhadores não é mais verdadeira, acrescenta ele, pois há muitas ações que são julgadas improcedentes. “Hoje em dia, no Brasil, vale a pena descumprir a legislação trabalhista. É rentável”, afirma.

Essa não é, porém, a visão das empresas. O presidente do Conselho de Relações do Trabalho da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Alexandre Furlan, defende que os empregadores ficam à mercê de interpretações das leis trabalhistas. “Muitas vezes não se consegue cumprir 100% da legislação”, diz. “A Justiça do Trabalho cumpre seu papel, mas ainda carrega um viés ideológico que impede um avanço nas discussões sobre competitividade. Agora, para a CNI, seria o momento de harmonizar competitividade à proteção do trabalhador.”

Para o presidente do TST, é necessário, em meio às discussões sobre terceirização e modernização da CLT, evitar a precarização. Sem, porém, impedir o desenvolvimento da economia. “O marco regulatório não pode ser algo que cerceie a atividade econômica de modo que, para proteger o trabalhador, você faça com que chegue a não ter empresa nem produção. O que você tem que fazer é evitar precarização”, afirma.

Martins Filho defende a proposta apresentada pelo deputado Júlio Lopes (PP­RJ), que tramita na Câmara Federal. O projeto permite a flexibilização de salário e jornada, desde que por meio de negociação entre sindicatos e empresas e apresentação de uma contrapartida ao trabalhador.

A visão do presidente sobre a modernização das leis trabalhistas encontra resistência no próprio TST. Em junho, um grupo de ministros divulgou um documento que criticava a flexibilização dos direitos dos trabalhadores. O documento foi assinado por 19 dos 27 integrantes da Corte.

O ministro não desconhece que sua posição não é unânime, mas pondera que muitas pessoas que são contrárias à reforma não fazem a análise econômica do direito. De acordo com ele, a Justiça tem capacidade de harmonizar as relações de trabalho se ela for equilibrada. Mas se a legislação for aplicada rigidamente, ela não tem condições de gerar emprego, pelo contrário. “Ninguém reforma a casa para deixá­la pior. Só para melhorar. Você pode pensar que agora não é o momento para reforma porque temos 10 milhões de desempregados. Mas se não a fizermos, vamos para 15 ou 20 milhões.”

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)