reconhecimento-da-categoria-de-mediador-e-conciliador-1-e1520859540212

Ideia legislativa do SIMEC/CE é colocar o reconhecimento da profissão de mediador e conciliador na pauta do Senado

Aprovação de uma lei federal que regulamente as atividades garantirá piso salarial e menos custos ao judiciário brasileiro

Há quase dois anos na batalha pelo reconhecimento da profissão de mediador e conciliador, a categoria agora tem a chance de conquistar sua regulamentação em lei federal por meio de uma ideia legislativa. A iniciativa foi aberta pelo Sindicato dos Mediadores e Conciliadores Judiciais e Extrajudiciais do Estado do Ceará (SIMEC/CE), no site do Senado, e precisa de 20 mil apoios até o dia 20/06 para ser debatida pelos parlamentares. Atualmente, a ideia possui mais de 750 apoios.

Na liderança do movimento, o presidente da Entidade Danilo Moreira afirma que o reconhecimento das atividades não será vantajoso apenas para a categoria, mas também contribuirá com o andamento dos processos judiciais, tornando-os menos custosos. Segundo o dirigente, a aprovação da lei ainda colaborará para a inclusão da profissão na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), do Ministério do Trabalho.

“Em 2010, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) criou esses cargos de mediador e conciliador através da Resolução 125. Em 2015, foi votada a Lei 13.140 sobre mediação e conciliação, mas até hoje a categoria não foi reconhecida por uma lei federal. A categoria, sendo reconhecida como uma profissão em todo o Brasil, pode trabalhar de forma contratada como um colaborador e facilitador da justiça na resolução de conflitos judiciais e extrajudiciais, inclusive em conjunto com órgãos do governo federal, estadual e municipal. Poderia também prevenir que conflitos aconteçam e ajudar na economia do Brasil, porque, se você consegue evitar que processos cheguem ao Fórum, os custos diminuem um pouco”, explica Moreira.

O dirigente ainda destaca que a formação do profissional exige 120 horas/aulas e o comparecimento em 60 audiências e que, portanto, “os trabalhadores estão capacitados, mas não têm uma previsão de remuneração a ser paga pelos empregadores” – realidade que poderá ser mudada caso uma lei seja sancionada com determinações sobre o piso salarial nacional. Com 2.300 profissionais na área, também tramita na Assembleia Legislativa do Ceará uma lei estadual a respeito do tema.

Interessados em colaborar com a causa dos mediadores e conciliadores podem dar o seu apoio por meio deste link até o dia 20 de junho.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra