img-hackers-prejuizo-milionario-ao-inss

Hackers dão prejuízo milionário ao INSS; ‘Chupa-cabra’ e infiltrados

Prejuízo milionário ao INSS – Um esquema que envolvia o uso de um “Chupa-cabra” para “sugar” dados de computadores, a utilização de empresa de fachada que extraviava recursos ilegais e bandidos infiltrados em agências.

Foi assim que uma quadrilha de hackers atuou para cometer crimes cibernéticos contra o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), de acordo com a Polícia Federal (PF).

LEIA: Pesquisa sobre entregadores de app é contestada por estudo: ‘Viciada’

Em parceria com o Coordenação de Inteligência Previdenciário (COINP), órgão associado ao Ministério da Previdência, a PF realizou a Operação Upgrade contra uma organização criminosa que, a partir do Piauí, lesava segurados de todo país.

Eduardo Monteiro, delegado da PF, contou à reportagem da Tilt/UOL que há indícios de que a atuação gerou um “dano milionário”.

A operação recebeu o nome de ‘Upgrade’ por ser uma evolução de investigações que buscavam identificar responsáveis pela criação dos equipamentos “chupa-cabra” – a Chupa Cabra 1, 2 e a Backup. A última cumpriu em abril mandados de prisão de cinco invasores, sendo dois em São Paulo e três em Teresina.

A ação da PF mobilizou mais de cem agentes nos estados de São Paulo, Ceará e Rio de Janeiro, além do Distrito Federal.

Foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão e 22 de prisão temporária, todos expedidos pela 1ª Vara Federal de Teresina (PI).

Entre os presos, estão:

  • hackers;
  • financiadores;
  • indivíduos responsáveis pelo aliciamento de pessoas com acessos às agências e outras atividades menores.

“Chupa-cabra”

O delegado explica que os “chupa cabra” são aparelhos com aparência de roteadores, que uma vez acoplados a um computador do INSS, eram capazes de enviar os dados trafegados na rede interna para os hackers.

Com os dados em mãos, os cibercriminosos reativavam benefícios cessados e posteriormente, geravam pagamentos de retroativos e os destinavam a contas bancárias diferentes das cadastradas.

O grupo também obtinha acesso à rede ao hackear as senhas de servidores da previdência.

A PF identificou as ações da quadrilha em pelo menos duas agências da Previdência Social em Teresina, capital piauiense. Foi nessas repartições públicas que o grupo instalou o “chupa-cabra” para obter acesso indevido a dados de segurados.

Além disso, a investigação afirma que a quadrilha chegou a criar uma empresa de fachada em São Paulo para servir de base para fraudes cibernéticas e outros crimes.

“A partir deste centro, eles procuravam pessoas em outros estados pelo Brasil para facilitar o acesso às agências. Além disso, tudo indica que o grupo trabalhava em parceria com outros grupos criminosos”, frisa o delegado da PF.

Há fortes indícios de que a quadrilha também atuava em outros estados, como Maranhão e Goiás. “Ainda é cedo para apontar a suspeita de invasão em outras agências [além das duas já identificadas]. As investigações irão aprofundar isso”, prossegue Monteiro.

Prejuízo milionário

A PF ressalta que ainda não é possível dimensionar o tamanho do prejuízo causado pelo grupo. No entanto, o INSS identificou que “fraudes dessa natureza alcançariam cifras milionárias em danos ao erário”.

O delegado pede que segurados que foram titulares de benefícios já cessados, especialmente em períodos anteriores ao ano de 2010, procurem a Previdência Social para se informar a respeito de alguma espécie de reativação de valores retroativos.

“Alguns segurados que se encontram nessa situação identificaram essa irregularidade ao declarar seu imposto de renda, pois constava o recebimento desses valores retroativos”, explica o delegado.

“Ocorre que efetivamente os valores pagos não eram destinados às contas dos verdadeiros titulares dos benefícios ou, quando eram, havia a criação de uma conta bancária sem conhecimento do titular do benefício em outro estado da federação. Então, os valores eram sacado sem seu conhecimento” – Eduardo Monteiro, delegado da Polícia Federal

Os investigados na operação Upgrade poderão responder pelos crimes de organização criminosa, furto eletrônico, invasão de dispositivo informático e lavagem de bens e valores.

A soma das penas máximas desses crimes alcançaria a marca de 30 anos de reclusão.

(Com informações de Tilt/UOL)
(Foto: Divulgação/PF)

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra