Empresas podem monitorar redes sociais dos funcionários? Saiba as regras

A empresa pode monitorar a atividade dos funcionários nas redes sociais dentro do trabalho? 

O uso de redes sociais no ambiente profissional virou rotina, sendo difícil encontrar alguém que não utilize do mecanismo de mídias sociais para fins pessoais ou profissionais, em máquinas ou redes fornecidas pelas empresas. Hábito que pode ser perigoso.  

No mês de outubro um caso na região do Triangulo Mineiro ganhou repercussão e levantou um importante debate: quais os direitos e os deveres do funcionário e da empresa no que diz respeito ao uso de redes sociais no trabalho? 

Quais são as regras? 

Apesar de ser cada vez mais essencial acessar as redes sociais para as atividades de diversas profissões, é necessário evitar o uso dos equipamentos cedidos pela empresa para fins exclusivamente pessoais. 

O acesso não deve ser irrestrito por parte do patrão, é necessário que a empresa mantenha o bom senso, quanto ao uso das ferramentas sociais sem violar a privacidade e a intimidade do colaborador. 

Nos casos em que o funcionário acaba por usar suas próprias páginas para a execução de suas atividades profissionais, ou ainda profissões que pedem sigilo – como jornalistas com suas fontes, advogados com seus clientes e médicos ou psicólogos com seus pacientes, a verificação de conversas por meio de aplicativos de mensagens ou redes sociais, mesmo que em máquinas da empresa, é passível de penalização cível e penal. 

Entretanto, funcionários e ex-funcionários devem evitar falar mal da empresa em que trabalham ou já trabalharam em suas redes sociais, principalmente ao fazer uso de máquinas corporativas, pois tais atos poderão servir como base para processar o funcionário que cometa estas transgressões com base no artigo 482 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT): “constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador: ato lesivo da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem”. 

Fonte: G1

Leia também: Uber Brasil é condenada a pagar direitos trabalhistas e indenização a motorista

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)