Empresas têm até 31 de março para divulgar relatório de transparência salarial; saiba

As empresas que enviaram as informações sobre os critérios remuneratórios e os salários de seus funcionários para o Ministério do Trabalho e Emprego já podem acessar seu relatório no Portal Emprega Brasil (clique aqui).

Em seguida, as empresas têm até o dia 31 de março para divulgar o relatório em suas redes sociais, site ou veículos semelhantes e garantir a ampla divulgação para seus empregados e público em geral.

O ministério ressaltou também que o relatório feito pelo órgão é o único considerado oficial e quaisquer informações disseminadas antes de 21 de março, quando o documento foi disponibilizado, não são válidas como parte do processo de cumprimento da Lei da Igualdade Salarial.

O relatório

As empresas com 100 ou mais funcionários tiveram até 8 de março para mandar as informações sobre transparência salarial para o MTE, conforme determinou a Lei da Igualdade da Salarial. A partir disso, o ministério produziu o relatório que deverá ser divulgado.

Esta foi a primeira vez que as empresas tiveram que fornecer essas informações, e a meta do governo foi 100% cumprida. A expectativa era receber informações de 49.587 estabelecimento, mas até as 18h do dia 8 de março o governo já havia recebido 49.704 relatórios.

O MTE e o Ministério das Mulheres pretendem divulgar ainda este mês um balanço completo dos dados enviados pelas empresas, apresentando o quadro observado a respeito da remuneração de homens e mulheres que exercem a mesma função ou trabalho de igual valor.

A apresentação deverá ser realizada durante uma cerimônia, em que o governo publicará o decreto do Plano Nacional de Igualdade Salarial e Laboral.

Sobre a Lei

A Lei da Igualdade Salarial foi enviada pelo governo federal ao Congresso no início do ano passado e sancionada em julho, após ser aprovada na Câmara e no Senado. Ela modificou o artigo 461 da CLT e se aplica a empresas que têm a partir de 100 funcionários.

Além de determinar que homens e mulheres que exerçam a mesma função devem ter remunerações iguais, a lei aumenta a fiscalização e a punição em casos de desrespeito às regras.

A medida estabelece que, em caso de discriminação por gênero, raça ou etnia, o empregador deverá pagar multa equivalente à diferença salarial devida e 10 vezes o valor do novo salário. Em caso de reincidência, a multa dobra.

A punição, antes, era limitada a 50% do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social, além do pagamento das diferenças salariais devidas.

Leia também: Movimento de mulheres sindicalistas faz ação para divulgar lei da igualdade salarial

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social