STF valida Dia da Consciência Negra em SP; trabalhador pode cobrar hora extra

O Supremo Tribunal Federal decidiu que o feriado do Dia da Consciência Negra na cidade de São Paulo é constitucional. Com isso, pessoas que foram obrigadas a trabalhar em 20 de novembro desde que a data comemorativa foi instituída, em 2004, pode pedir o pagamento de horas extras diferenciadas, com no mínimo 100% de acréscimo no valor da hora de trabalho. 

A Corte discutiu o tema devido a uma ação ajuizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos, que pediu que o STF reconhecesse a validade da lei que instituiu o Dia da Consciência Negra e unificasse a decisão sobre o tema. 

O caso chegou até o STF após a 11ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo considerar o município incompetente para criar o feriado e, assim, determinou que os funcionários da indústria paulistana trabalhassem normalmente no dia, acatando o argumento ajuizado pelo Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo). 

Já a CNMT entende que o feriado da Consciência Negra não viola a Constituição, pois não tem relação apenas com o direito do trabalho, sobre o qual apenas a União tem poder. Por 9 votos a 2, o STF concordou com a entidade dos metalúrgicos. 

A tese vencedora

Para a relatora do caso, ministra Cármen Lúcia, e dos demais integrantes da corrente majoritária, o dia 20 de novembro é um símbolo de resistência cultural e de ação afirmativa contra o preconceito racial. Ela lembrou que a data já é celebrada como feriado local em mais de 100 cidades brasileiras, em cinco estados: Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Alagoas e Rio de Janeiro. 

O ministro Luís Roberto Barroso acompanhou a relatora, mas reconheceu que, de fato, há jurisprudência no STF de que a instituição de feriado que avance sobre o direito do trabalho é competência da União. Entretanto, no caso do Dia da Consciência Negra, é preciso fazer uma exceção à regra geral. 

Segundo Barroso, não se trata de reverter os precedentes da Corte, mas fazer uma distinção, uma vez que a Constituição Federal se refere reiteradamente à questão da igualdade e contra o preconceito racial, dando ao racismo a condição de crime inafiançável. 

O ministro Ricardo Lewandowski destacou que o município de São Paulo agiu dentro de sua competência constitucional ao estabelecer o feriado local, que é importante para a reflexão sobre o tema, “em conformidade, por exemplo, com os feriados sobre os santos padroeiros das cidades”. 

Na mesma linha, o ministro Gilmar Mendes afirmou que a instituição de feriados tem reflexo importante sobre mercado de trabalho, mas ver a situação apenas por esse ângulo “é demasiadamente reducionista”, pois não se trata só da suspensão da jornada de trabalho, mas de um momento de “reflexão cívica”.  

Para a ministra Rosa Weber, a data marca uma virada histórica e deve ser considerada feriado de índole religiosa para a cultura negra, dentre os quatro feriados religiosos reconhecidos por lei aos municípios. 

Completaram a maioria os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luiz Fux e Dias Toffoli. 

Divergentes

André Mendonça e Nunes Marques foram os votos vencidos. Para os juízes, a criação de feriados interfere na dinâmica das cidades e em questões trabalhistas que, segundo a Constituição Federal, são de competência da União. 

Informações: Agência STF e Poder360

Leia também: STF decide a favor da “revisão da vida toda”; mudança beneficia aposentados

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social