Demissão de 111 mil no comércio pressiona desemprego em fevereiro

A taxa de desemprego de fevereiro medida pela PME (Pesquisa Mensal de Emprego) foi de 5,1%, alta de 0,3% em relação ao mês anterior

As dispensas no setor de comércio, que chegaram a 111 mil trabalhadores em fevereiro, foram o principal motivo para a ligeira alta na taxa de desemprego em fevereiro, na comparação com janeiro, das seis principais regiões metropolitanas do país pesquisadas pelo IBGE.

A taxa de desemprego de fevereiro medida pela PME (Pesquisa Mensal de Emprego) foi de 5,1%, alta de 0,3% em relação ao mês anterior. À despeito do avanço, foi a menor taxa para mês desde 2003. A série histórica começou em março de 2002.

O índice cresceu porque houve um aumento na procura por emprego sem que houvesse necessariamente crescimento na quantidade de postos de trabalho. Esse movimento é normal no início do ano, principalmente no setor de comércio.

Em geral, ocorre dispensa dos trabalhadores temporários que foram contratados para as festas de final de ano.

O crescimento na quantidade de pessoas desocupadas, que são aquelas que não têm emprego, mas estão à procura de um, reflete essa pressão no mercado de trabalho. A chamada população desocupada cresceu 6,9% de janeiro para fevereiro deste ano e atingiu 1,2 milhão de pessoas.

“O movimento de dispensa do comércio, que já vinha acontecendo em janeiro, foi o que contribuiu para a alta da taxa. A população ocupada reduziu em 137 mil pessoas em fevereiro. Só o comércio, individualmente, dispensou 111 mil trabalhadores”, disse a técnica do IBGE Adriana Araújo Beringuy.

 Comparação anual 

Na comparação anual, contudo, a taxa de desemprego em fevereiro recuou 0,5% em relação a igual período de 2013. O desemprego caiu, porém, porque mais gente entrou na faixa chamada “população não economicamente ativa”, que é o grupo de pessoas que não trabalham, mas que também não estão à procura de uma ocupação.

No período de um ano, 686 mil pessoas ingressaram nesse grupo, alta de 3,8%. Portanto, mesmo que não tenha havido geração significativa de postos, houve menos pressão no mercado de trabalho no período, o que ajudou a manter a taxa em níveis mais baixos.

Na esteira desse processo, caiu em muito a população desocupada, que é o grupo de desempregados que estão buscando uma oportunidade no mercado. A queda na comparação de fevereiro deste ano com igual período do ano anterior foi de 8,3%. Isso mostra que parte dos que estavam desempregados nesse intervalo desistiram de buscar trabalho.

Rendimento 

Ainda que o comércio tenha sido o setor que puxou o desemprego no início do ano, foi ele também que contribuiu, ao lado da construção civil, para o aumento do rendimento médio do trabalhador, segundo o IBGE. O rendimento médio real dos trabalhadores atingiu, no segundo mês deste ano, R$ 2.015,60, alta de 0,8% relação a janeiro (R$ 2.000,53) e de 3,1% ante fevereiro (R$ 1.954,99).

A alta dos salários no comércio foi de 2,8% na comparação com janeiro, para R$ 1.573,30. Na construção civil, o rendimento médio em fevereiro foi de R$ 1.700,67, alta de 5,1% sobre janeiro.

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"