DSC_0192-e1366921317591

CSB defende a unicidade sindical e a contribuição compulsória em Congresso de Direito Sindical

Evento aconteceu em Fortaleza e contou com a presença de representantes do Ministério Público do Trabalho e de centrais sindicais

Entre os dias 10 e 12 de abril, foi realizado em Fortaleza, no Ceará, o Congresso de Direito Sindical, evento no qual foi discutida a organização sindical e seu relacionamento com o Poder Judiciário e o Ministério Público do Trabalho (MPT). Durante os dois dias de reunião, houve palestras sobre temas como a unicidade sindical, as responsabilidades do Ministério do Trabalho (MTE) e o sindicalismo no serviço público. O Congresso foi promovido pelo MPT em parceria com a Coordenadoria Nacional de Promoção das Liberdades Sindicais (Conalis) e o Grupo de Estudos e Defesa do Direito do Trabalho e do Processo Trabalhista (Grupe).

Participaram do evento representantes do MPT, da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e dirigentes de centrais sindicais. João Alberto Araújo Fernandes e Luiz Sergio da Rosa Lopes, vice-presidentes da CSB, estiveram presentes no Congresso representando a Central. Luiz Sergio Lopes também representou a Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL).

 Intenso debate

Os dirigentes da CSB defenderam arduamente o fortalecimento dos sindicatos, a unicidade sindical e a contribuição compulsória para desenvolver o Brasil, gerar emprego e distribuir renda. Foi uma ação firme da Central, mesmo com a iniciativa de alguns membros do MTE e do MPT em fazer uma campanha pelo desmantelamento da estrutura sindical.

Para a entidade, uma central sindical deve catalisar as forças progressistas brasileiras, mostrar compromisso com a Nação e os trabalhadores; deve ter capacidade de promover e acompanhar os avanços da sociedade; ter pluralidade interna e capacidade de garantir espaço para todos os dirigentes sindicais filiados. A CSB também luta pela organização sindical democrática e pela estrutura geral dos sindicatos.

João Alberto Fernandes afirmou que a postura da Central foi sempre em defesa de seus ideais de luta. “As demais entidades presentes no evento querem acabar com a unicidade e o imposto sindical, e não podemos admitir que a organização dos sindicatos e a representação dos trabalhadores sejam prejudicadas”, enfatizou.

Luiz Sergio Lopes espera que o MTE cumpra sua função junto às entidades sindicais. “A Constituição precisa ser obedecida. Se o Ministério expede as normas e instruções sobre o funcionamento dos sindicatos, está fazendo isso em determinação à própria Constituição Federal, que estabelece a necessidade de inscrição dessas entidades”, explicou o vice-presidente.

Ele condenou a atitude do MPT de negar o direito das entidades sindicais de cobrar a contribuição assistencial fixada nos acordos e convenções coletivas de trabalho. “Vamos lutar para manter o fortalecimento dos sindicatos, bem como de suas estruturas organizacionais. A contribuição assistencial é essencial para o desenvolvimento e o trabalho das instituições que representam os trabalhadores”, defendeu Luiz Sergio Lopes.

A CSB luta para defender todos os instrumentos que protegem o trabalhador. O fim das contribuições sindical e assistencial, e da unicidade sindical enfraquece os sindicatos e compromete a proteção aos trabalhadores, os mais prejudicados na luta por um Brasil mais justo.

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO