centrais-sindicais-transicao-lula-servidores-publicos

Em reunião com centrais, transição se compromete com servidores públicos 

O grupo da transição de governo que discute o mundo do trabalho firmou o compromisso de levar adiante as demandas dos servidores públicos apresentadas pelas centrais sindicais em reunião nesta terça-feira (6).  

Os sindicalistas pediram que o futuro governo regulamente os direitos sindicais do serviço público e dê validade prática à Convenção 151 da OIT (Organização Internacional do Trabalho), da qual o Brasil é signatário, que trata do direito de greve e de negociação coletiva dos servidores. 

No documento elaborado pelas centrais, elas lembram que, em 2017, o presidente Michel Temer vetou o Projeto de Lei que finalmente estabelecia as normas para a negociação coletiva no serviço público, e o veto foi mantido pelo Congresso Nacional. Os sindicatos argumentam que o vácuo deixado fere o direito de greve, garantido pela Constituição, já que a paralisação pressupõe uma tentativa frustrada de negociação. 

Outro ponto levantado pelos representantes dos trabalhadores foi a necessidade de barrar a tramitação da PEC 32 de 2020, apelidada de “PEC da Rachadinha” por dar mais espaço para indicações políticas em cargos hoje ocupados por profissionais de carreira. O projeto de reforma administrativa apresentado pelo governo Bolsonaro precariza as condições dos servidores, uma vez que pode levar à perda da estabilidade e de direitos adquiridos. 

Apesar de todo o protesto da categoria, a PEC já foi aprovada pela CCJ e por comissão especial na Câmara e, agora, está pronta para ser levada para votação no plenário. 

Os representantes da futura administração, no entanto, prometeram trabalhar para que o projeto não siga em frente, conforme o deputado federal Rogério Correia (PT-MG) já havia anunciado na semana passada. Correia é um dos coordenadores do grupo ao lado do ex-diretor do Dieese Clemente Ganz Lúcio, que também estava na reunião. 

A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) foi representada pelo vice-presidente Flavio Werneck, que avaliou o encontro como positivo para os servidores. “Eles [coordenadores do grupo] assinaram o documento que apresentamos e pediram nosso apoio junto ao senador Jaques Wagner para seu projeto de regulamentação da Convenção 151”, contou. 

Os interlocutores de Lula pediram ainda que as centrais ajudassem a pressionar os parlamentares pela aprovação da PEC da Transição, necessária para garantir recursos para manter os R$ 600 do Bolsa Família e o aumento real do salário mínimo, conforme prometido durante a campanha. 

Além da CSB, estavam presentes e assinaram o documento: CTB, UGT, CUT, Conlutas, Força Sindical, NCST, Intersindical, Pública e Internacional de Serviços Públicos. As entidades já manifestaram seu apoio à PEC da Transição, chamada por elas de PEC da Responsabilidade Social, em nota conjunta. 

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra