Centrais se reúnem com Ricardo Berzoini para debater a licença sindical remunerada dos servidores

Entidades defendem que o direito, extinto durante o governo FHC, representa maior segurança na representação dos trabalhadores

O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais (SRI), Ricardo Berzoini, recebeu representantes de centrais sindicais, da Fenapef, da Fenaprf, do Sindipol-DF, do Dieese, do Diap, além de deputados, no Palácio do Planalto, do dia 8. A pauta da reunião foi a licença sindical remunerada dos servidores públicos. A CSB foi representada por Flávio Werneck, vice-presidente da CSB, diretor da Fenapef e presidente do Sindipol-DF.

O objetivo das centrais sindicais é recuperar um direito adquirido antes do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. A licença sindical remunerada foi extinta na presidência de FHC. Hoje, os sindicatos precisam ressarcir a União pela liberação do servidor. A ideia é inserir esse direito numa Medida Provisória que altere a Lei 8.112/90. “A volta da licença remunerada é um passo gigantesco para maior segurança nas representações, já que muitas entidades não têm condições financeiras de arcar com o salário dos dirigentes”, explica Flávio Werneck.

O retorno da licença sindical remunerada possibilitará um equilíbrio de forças entre os sindicatos e o governo no momento das negociações. Muitas vezes, a diretoria do sindicato acaba se indispondo com a gestão do órgão público ou com o governo. “Com a licença remunerada, o servidor fica livre de influências diretas do contratante. É possível trabalhar com maior isenção”, disse o dirigente.

Berzoini se dispôs a ser um interlocutor junto ao governo nesse assunto. Para o ministro, é preciso dialogar com os órgãos e com as instituições governamentais, uma vez que há divergências dentro do governo com relação à liberação remunerada  do servidor. O ministro acredita que seja é possível chegar em um denominador comum e que a proposta evolua. Está prevista uma nova reunião para o final de abril para a continuação dos debates.

 Direito de greve

Está marcada para amanhã, 10 de abril, uma reunião das centrais com o senador Paulo Paim (PT-RS) para debater o direito de greve no serviço público. Flávio Werneck representará a CSB.

Apesar de previsto na Constituição, o direito  nunca foi regulamentado.  A proposta do governo que regulamenta o direito de greve no serviço público estabelece que 80% dos servidores nos 28 serviços considerados essenciais continuem trabalhando durante as paralisações. As centrais sindicais querem a diminuição desse percentual e a garantia da negociação coletiva e da data-base. O projeto ainda tramita no Senado.

Acompanhe a cobertura da reunião no site da CSB.

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social