Trabalho em aplicativos: Câmara de SP recomenda direitos trabalhistas e regulamentação

A Câmara dos Vereadores de São Paulo apresentou nesta semana o relatório final da CPI dos Aplicativos. O documento aponta os principais problemas descobertos pelos parlamentares e uma série de recomendações, como a necessidade de rever a regulamentação dos serviços de entregas e de transporte de passageiros, garantir melhores condições de trabalhos e implementar um sistema de seguridade social para os trabalhadores intermediados por essas ferramentas. 

Ao longo de 14 meses, a Comissão ouviu representantes das principais empresas da área, como iFood, Uber e 99, do Executivo, do Ministério Público do Trabalho e membros de sindicatos sobre como foi feita a atual regulamentação desses serviços e como elas atuam na cidade. 

Foram levantadas evidências, por exemplo, que Uber e 99 haviam transferido suas sedes para Osasco por razões fiscais, já que o Imposto Sobre Serviços (ISS) recolhido lá é menor que na capital, o que configuraria evasão fiscal. Duas diligências foram feitas nas sedes. De acordo com a estimativa dos vereadores, o retorno das duas empresas significa um aumento de R$ 200 milhões na arrecadação da cidade. 

Outra descoberta foi que a empresa russa InDriver operava na capital sem credenciamento. Ao todo, 43 empresas foram investigadas. 

As recomendações 

Após as audiências, o relatório propôs um marco regulatório que possa, segundo os legisladores, equilibrar o serviço trazendo contrapartidas à cidade e oferecendo mais segurança aos usuários e aos trabalhadores. 

À Prefeitura de São Paulo, o documento sugeriu que seja feita uma auditoria no pagamento do preço público por quilômetro rodado pelos aplicativos de transporte desde 2016. A previsão de arrecadação para este ano é de cerca de R$ 240 milhões. 

Outras sugestões foram: 

  • Buscar estabelecer junto ao INPI (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual) que empresas como Uber e 99 sejam enquadradas como de transporte, em vez de tecnologia, o que mudaria seu status tributário junto ao município; 
  • Alterar o modelo de pagamento das empresas por quilômetros rodados, que hoje é feito por autodeclaração; 
  • Modificar a situação trabalhista de motoristas e entregadores; 
  • Ampliar a transparência e clareza nas políticas de segurança das plataformas; 
  • Criar contrapartidas ao município pelo uso intensivo que as empresas fazem do viário paulistano. 

As recomendações serão enviadas ao Congresso Nacional, que também deve discutir o tema no próximo governo já que uma das bandeiras da campanha de Lula era garantir proteção aos trabalhadores em aplicativo. 

Para o relator da CPI, Camilo Cristófaro (Avante), as plataformas “simplesmente escravizam esses motoristas”. Ele lembrou como em outras países a legislação já protege os trabalhadores nesses serviços. “Na Inglaterra, a suprema corte já deu como direito trabalhista do motorista de aplicativo, ou seja, a empresa tem que bancá-lo, não fazer o que faz em São Paulo”, disse. As mesmas condições precárias se repetem em todo país. 

O vice-presidente da Comissão, vereador Marlon Luz (MDB), fez conclusões no mesmo sentido que o colega. “O relatório comprova os abusos das plataformas com os motoristas, documenta e especifica quais os tipos de abusos. Esse documento vai alimentar Ministério Público, Ministério do Trabalho, juízes, desembargadores. Enfim, vai fazer com que realmente se possa legislar a favor do trabalhador que hoje tem sido explorado”, afirmou. 

As empresas 

Contatada pelo Valor Econômico, a 99 comentou apenas que recebeu o relatório e que age de acordo com a lei. “A empresa destaca que cumpre integralmente a legislação vigente e está rigorosamente em dia com pagamentos de todos os tributos, como ficou comprovado inúmeras vezes diante da Comissão.” 

Já a Uber criticou o trabalho da CPI e disse que ela terminou “com conclusões vazias, baseadas numa aparente vontade política duvidosa de denunciar sem fundamentos empresas que contribuem com São Paulo e que facilitam a vida de pessoas que se deslocam e que geram renda na cidade”. 

“A Uber reforça que segue a legislação brasileira e que todos os pagamentos devidos ao município de São Paulo foram e são efetuados à Prefeitura em conformidade com a regulação”, acrescentou. 

Leia também: Lula sinaliza nova lei trabalhista para trabalhadores em aplicativos

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"