Acordo de livre comércio com EUA e União Europeia é nocivo para o Brasil

CSB repudia a união com o bloco e defende a valorização e o desenvolvimento da indústria brasileira

Na última sexta-feira, 21 de março, representantes do Mercosul e da União Europeia (EU) se reuniram, em Bruxelas, para discutir os termos de um acordo de livre comércio entre os dois blocos econômicos. Apesar de a grande mídia alardear que não houve progresso nas negociações, está claro que uma mobilização para fechar esse acordo avança consideravelmente. Paralelamente, constrói-se também a passos largos uma zona de livre comércio entre Mercosul e Estados Unidos.

Pesquisa divulgada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) afirma que a o Brasil ampliaria seu mercado de exportações em cerca de US$ 86 bilhões se firmasse acordos de livre comércio com Estados Unidos e União Europeia. Entretanto essa cifra nada significa, uma vez que – em valores líquidos (e segundo o mesmo estudo) – o País já entraria no bloco com déficit de US$ 600 milhões na balança comercial. Esse prejuízo se explica pelo crescimento de US$ 42,8 bilhões nas exportações contra US$ 43,4 bilhões nas importações.

Estes dados comprovam que o Brasil não precisa, como defendem alguns setores, estabelecer acordos comerciais com essas economias para se fortalecer. O argumento de que o País ficará isolado economicamente não se sustenta quando tais dados ‑ apresentados pela própria FGV ‑ coloca a participação do País em desvantagem.

Cenário que estimula a indústria nacional

Segundo a pesquisa “A década inclusiva (2001-2011): Desigualdade, pobreza e políticas de renda”, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), os 10% mais pobres do Brasil tiveram um crescimento de renda acumulado de 91,2%. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome revelou que, nesse mesmo período, a pobreza no Brasil caiu mais de 55%.

Estes números evidenciam a forte política de distribuição de renda, como a valorização do salário mínimo, e programas sociais como o Brasil Carinhoso, Brasil sem Miséria, Minha Casa Minha Vida, responsáveis pela melhoria da renda do trabalhador. O maior poder de compra proporcionado pelo aumento da renda fortalece a economia nacional, estimulando a produção da indústria nacional e a geração de mais empregos.

Realidade alarmante

Estados Unidos e União Europeia possuem interesses econômicos escusos, com suas constantes e duras políticas protecionistas que têm como único objetivo minar o desenvolvimento do comércio brasileiro e enriquecer a indústria imperialista.

Exemplo claro disso são as barreiras que tais blocos impõem ao etanol brasileiro. EUA e UE alegam que o Brasil polui o meio ambiente com a produção, mas, na realidade, isso serve para proteger a economia daqueles países. O etanol produzido na Europa e nos EUA não tem condições de competir com o etanol brasileiro, que é feito com a cana de açúcar, muito mais barato, polui menos e tem um potencial infinitamente mais satisfatório.

Para evitar a quebra dos produtores americanos e europeus, além de balizar a evolução e o domínio brasileiros nesse setor, tais barreiras protecionistas foram e serão sempre criadas.

Panorama promissor

Engana-se quem considera que este cenário tende a mudar. É por conta de ações e retaliações como estas – sem propósito e injustas – que o Brasil precisa focar seus esforços na manutenção dos acordos de livre comércio com o Mercosul e o Brics.

O cenário oferecido por estes dois blocos colocam o Brasil como líder regional e como um dos principais gestores na mesa de decisões sobre governança global e desenvolvimento econômico dos países integrantes. Por meio do Mercosul, por exemplo, o Brasil vem conseguindo negociar acordos comerciais minimamente favoráveis aos seus interesses nacionais e destaca-se como pivô da fundação do bloco, atuando ativamente, seja nos debates econômicos e/ou na esfera social e política das nações.

Sob aspecto semelhante, a participação nos Brics baseia-se em interesses e ideologias comuns. A associação do Brasil ao grupo está de acordo com suas necessidades estratégicas em nível regional e global. O bloco permite, ainda, que o País introduza pautas específicas nas áreas de ciência, tecnologia e desenvolvimento sustentável.

Temor antigo

A ameaça imperialista já dava sinais claros de sua pretensa e destrutiva hegemonia econômica na década de 1990, com a criação da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), uma invenção norte-americana que mascarava seus reais objetivos com a proposta de eliminar as barreiras alfandegárias entre os 34 países membros, exceto Cuba.

Em 2005, o Brasil ‑ de maneira firme ‑ refutou a entrada no bloco com o enfático argumento de que os reais objetivos dos Estados Unidos eram impor o domínio de sua indústria em detrimento da extinção dos parques industriais dos demais membros.

Experiência nociva

Na América, o México é o país símbolo da dominação norte-americana. A adesão do país ao Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) colocou 50 milhões de mexicanos na linha da pobreza, segundo o economista Ángel Palacios.

A dívida interna do setor público aumentou assustadoramente, chegando a 38% do PIB daquele país, o que equivale a mais de 6 bilhões de pesos. A autonomia mexicana na produção de alimentos virou um triste passado. Graças ao NAFTA, nos próximos anos, o México deverá adquirir 80% dos seus alimentos em outros países, principalmente nos Estados Unidos. A publicidade em torno do bloco serviu apenas para gerar promessas infundadas, como a geração de empregos na indústria e o aumento da participação no mercado, bem como o incremento das exportações. Pura falácia.

Futuro

Tendo em vista o histórico destrutivo para a América Latina e os países pobres, causado pela dominação política e econômica dos Estados Unidos e das grandes nações europeias, a Central dos Sindicatos Brasileiros manifesta-se contrária ao acordo de livre comércio entre o Mercosul e a UE, e também com os Estados Unidos.

“É evidente a superioridade a ser imposta por aquelas nações à produtividade de seus parques industriais sobre as indústrias latino-americanas nessa relação. A adesão a esse bloco representa um suicídio para o Brasil, que não tem nada a ganhar. Estamos diante de uma desigualdade política de poder mundial. A CSB defende o pleno investimento em parcerias que beneficiem os trabalhadores, a indústria nacional, o mercado interno e a economia do Brasil”, diz o presidente da CSB, Antonio Neto.

Compartilhe:

Leia mais
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se