Centrais e outras entidades apresentam proposta unificada de reajuste para servidores federais

As centrais sindicais e demais entidades representativas dos servidores do Executivo federal apresentaram ao governo uma contraproposta unificada de reajuste, em resposta ao que foi oferecido à categoria em dezembro de 2023.

Na ocasião, o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) propôs um reajuste salarial de 9% dividido em duas parcelas, sendo a primeira em maio de 2025 e a segunda em maio de 2026. A proposta incluía também o aumento do vale-alimentação de R$ 658 para R$ 1 mil e acréscimo de 51% no auxílio-creche e auxílio-saúde.

Saiba mais: Governo propõe aumento nos auxílios, mas sem reajuste salarial a servidores federais em 2024

Nesta quarta-feira (31), as centrais e federações sindicais entregaram ao secretário de Relações de Trabalho do MGI, José Feijóo (foto), um documento em que recusam os termos do governo e unificam as reivindicações levantadas por cada entidade.

O documento afirma que a proposta governamental é “insuficiente” por diversos motivos, dentre eles:

  • a não equiparação dos benefícios aos valores recebidos pelos servidores dos poderes Legislativo e Judiciário;
  • o índice de reajuste salarial ser muito inferior ao apresentado pela bancada sindical e desconsiderar as perdas inflacionárias históricas entre 2010 e 2023;
  • a proposta excluir os aposentados e pensionistas, que representam 51% da categoria;
  • o reajuste zero neste ano.

A contraproposta da bancada sindical inclui dois blocos de recomposição salarial: reajuste de 34,32% dividido em 3 parcelas iguais de 10,34%, em 2024, 2025 e 2026, para os servidores que, em 2015, firmaram acordos por dois anos (2016 e 2017); e reajuste de 22,71% dividido em 3 parcelas iguais de 7,06%, em 2024, 2025 e 2026, para aqueles que fecharam acordos salariais por quatro anos (2016 a 2019).

A proposta reforça ainda o pedido de equiparação dos benefícios (alimentação, creche e per capita de saúde) com os demais poderes e de que haja maior celeridade ao andamento das mesas de negociação setoriais.

Em relação a questões não remunetários, as entidades pedem a revogação imediata de algumas medidas, como a IN 2, que dificulta a atividade sindical; uma posição contundente do governo contra a PEC 32/2020, a reforma administrativa do governo Bolsonaro; e o fim da contribuição previdenciária para os servidores públicos aposentados (PEC 555/2006).

Foto: André Corrêa/MGI

Compartilhe:

Leia mais
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores