Sindicatos temem desemprego e precarização com fim da desoneração da folha

O fim repentino da desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia brasileira tem preocupado sindicalistas, que temem o aumento do desemprego e da precarização em suas áreas.

Presidente da CSB e do Sindpd-SP (Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação de São Paulo), Antonio Neto concedeu entrevista à TV Record nesta segunda-feira (29) explicando o risco que a derrubada da lei pode representar para os trabalhadores que representa.

“Já estamos em abril, daqui dois dias estamos em maio. Quer dizer, mudar o regime tributário agora é um desarranjo no sistema muito grande. Vai gerar desemprego e, se mantido isso [suspensão da desoneração], no meu setor que é Tecnologia de Informação vai gerar precarização, vai aumentar pejotização, cooperativas fraudulentas de trabalho. Porque o patrão ele tem um planejamento tributário e ele vai querer fazer se adaptar de alguma forma”, afirmou.

Assista a matéria:

Entidades sindicais temem que a reoneração possa causar a perda de até 1 milhão de postos de trabalho. Segundo as entidades representativas dos setores beneficiados, a geração de postos de trabalho e a média salarial nesses setores tem sido acima da média, gerando também maior arrecadação pela maior quantidade de empregos.

Segundo o movimento Desonera Brasil, dados do Caged mostram que, nos 17 setores, a ocupação subiu 19,6% desde janeiro de 2019, contra 14,3% nos outros segmentos. E o salário médio é 12,7% maior.

Debate no STF

A questão voltou para o centro da discussão após o ministro do STF Cristiano Zanin suspender em decisão monocrática o projeto de lei aprovado no Congresso que prorrogava até 2027 a desoneração da folha de pagamentos de 17 setores, incluindo o de tecnologia da informação.

A desoneração entrou em vigor em 2011 e substitui a contribuição previdenciária de 20% sobre a folha de pagamento por uma contribuição que vai de 1% a 4,5% da receita bruta da empresa.

A medida seria válida até o fim do ano passado, mas foi renovada pelo Congresso. O presidente Lula chegou a vetar o projeto, mas o veto foi derrubado pelos parlamentares, que também reduziram a contribuição previdenciária para 8% para municípios com até 156 mil habitantes.

O governo então questionou a medida no STF e conseguiu uma liminar concedida pelo ministro Cristiano Zanin suspendendo a prorrogação. A manutenção da liminar foi para votação no plenário virtual e, até agora, outros quatro ministros concordaram com o relator: Edson Fachin, Gilmar Mendes, Flávio Dino e Luís Roberto Barroso.

A votação foi suspensa por pedido de vista do ministro Luiz Fux, que tem 90 dias para devolver a matéria.

Nota da CSB

A CSB lançou uma nota criticando a insistência do governo federal em derrubar a desoneração da folha de pagamentos, gerando crise com um tema que já havia sido pacificado, em vez de concentrar suas forças para alterar leis realmente prejudiciais ao trabalhador, como a Reforma Trabalhista e da Previdência.

“Lamentamos profundamente o ímpeto do atual governo em revogar essa desoneração, o que resultou em uma série de derrotas políticas, vetos derrubados e crises, culminando na judicialização de uma matéria que já havia sido superada com o parlamento. Este cenário gera insegurança jurídica e abre caminho para a precarização em plena semana do trabalhador”, diz o texto.

“É surpreendente ver o governo empenhado em revogar uma medida implementada por um governo do PT, enquanto demonstra pouca vontade política em revogar as políticas prejudiciais dos governos de Temer e Bolsonaro. Se o mesmo empenho fosse direcionado para revogar as maldades da Reforma Trabalhista e da Previdência, poderíamos estar mobilizando a classe trabalhadora por uma causa mais popular, justa e com potencial de melhorar significativamente a vida dos trabalhadores”, prossegue a nota.

Leia a nota na íntegra: Governo acumula erros em busca do irreal déficit zero

Com informações de: TV Record e Valor

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)