educacao

Vice-presidente da CSB critica atrasos do Plano Nacional de Educação

Estagnada, a iniciativa determina diretrizes, metas e estratégias para a política educacional

Aprovado pelo Congresso Nacional em 2014, o Plano Nacional de Educação (PNE) está estagnado. De vinte metas, apenas a 13º foi cumprida: pelo menos 75% dos professores da educação superior sejam mestres e 35% doutores. Em 2016, este índice era de 77,5%. O plano determina diretrizes, metas e estratégias para a política educacional.

O governo federal divulgou o resultado de relatório de monitoramento do PNE. Entre as conclusões, o levantamento apontou que o Brasil ainda não conseguiu cumprir a meta de crianças na pré-escola e que o desempenho da alfabetização no ensino fundamental não evoluiu.

A vice-presidente da CSB e a presidente do Sindicato dos Professores Públicos Municipais de Carpina e Região (SINDPROFM), Maria das Mercês Coutinho, sente no dia a dia de trabalho essa afirmação. “Em Carpina [Pernambuco], não vimos construção de creche. Nas metas do PNE, a prioridade da educação infantil é dos municípios, de construir creche. Na minha cidade só tem duas creches. Para outras creches, alugam prédios, que às vezes não têm nenhuma infraestrutura para garantir a acessibilidade dos nossos alunos das séries iniciais”, afirmou.

Ainda sobre a infraestrutura, a dirigente contou que recebeu uma denúncia no sindicato “de alunos estudando no corredor da escola porque não têm uma sala de aula adequada que caiba todos os alunos. Isso é o mínimo”, frisou.

O estudo mostrou que as metas da qualificação, do plano de carreira e de salário dos professores não saíram do papel. “Tanto aluno, professores, merendeira, serviços gerais que trabalham nas escolas não são valorizados, de forma nenhuma […]. No município de Carpina, faz dois anos que os prefeitos não equiparam o piso nacional, ou seja, não deram reajuste. Os professores estão recebendo o mesmo salário de 2016”, disse.

O governo ainda frisou que houve retrocesso na oferta do ensino em tempo integral; e investimento público em educação ainda está abaixo do percentual do PIB previsto até 2024.

Maria Mercês afirmou que não há preocupação em continuar políticas públicas aprovadas em governos anteriores. Conforme a vice-presidente, os governos federal, estadual e municipal só “acordam” quando os sindicatos promovem greves ou manifestações.  “O Brasil não se preocupa em educar. O Brasil quer pessoas analfabetas para que eles possam estar no Congresso Nacional manipulando e tirando o direito do trabalhador”, criticou.

Para mudar e melhorar a situação, a presidente do sindicato considera que a população precisa se organizar e cobrar dos governantes. “Precisamos de cobrança porque recurso o País tem”, concluiu.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra