Justiça concede liminar contra vereador de Porto Alegre por ato antissindical

O Tribunal Regional do Trabalho em Porto Alegre (RS) concedeu nesta segunda-feira (6) uma liminar contra um vereador da capital gaúcha por ato antissindical. O parlamentar fez postagens em suas redes sociais com mentiras sobre a contribuição assistencial e incentivava a distribuição de cartas de oposição.

Em uma postagem, o vereador passou seu número de WhatsApp pedindo que todos entrassem em contato caso quisessem receber um modelo de carta de oposição e afirmou que o Supremo Tribunal Federal “deu um ‘cheque em branco’ para os sindicatos saquearem o bolso do trabalhador com a volta do imposto sindical”.

“O valor saqueado do bolso do trabalhador certamente será muito maior do que o antigo imposto sindical, que retirava mais de R$ 3 bilhões dos seus salários. Mas o que podemos fazer? Simples. É preciso distribuir aos trabalhadores as ‘cartas de oposição à contribuição sindical’. É o que farei. O trabalhador tem direito a não sustentar sindicalistas folgados”, dizia a postagem.

Conforme já explicado pelo próprio STF, pelas centrais sindicais pelo ministro do Trabalho e juristas, a decisão a que o vereador se refere não se trata da “volta do imposto sindical”, o que não está nem sequer sendo reivindicado pelas centrais. O Supremo apenas considerou constitucional a cobrança da contribuição assistencial garantindo-se o direito à oposição.

Entenda mais sobre a contribuição assistencial: Centrais entregam proposta sobre contribuição assistencial a Rodrigo Pacheco

A ação contra o vereador foi ajuizada pela CTB e pela CUT do RS, e deferida pelo juiz Jefferson Luiz Gaya de Goes, da 15ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. De acordo com o entendimento do magistrado (veja a íntegra aqui), o parlamentar excedeu o direito de expressão e cometeu ato antissindical ao propagar a distribuição de cartas de oposição.

“Com efeito, o incentivo, a sugestão e a distribuição de cartas de oposição aos trabalhadores atinge o direito à liberdade sindical, pois constitui ato deliberado de terceiro com a finalidade de diminuir ou mesmo inviabilizar fonte de custeio das entidades sindicais, cuja cobrança é constitucional, conforme decidiu o STF”, argumentou.

Goes também apontou que o réu (o vereador) chamou a contribuição assistencial erroneamente de imposto sindical.

“(…) confunde a contribuição sindical, prevista no art. 580 da CLT, cujo recolhimento deixou de ser obrigatório por força de alteração trazida pela Lei n. 13.467/2017, e popularmente denominada de ‘imposto sindical’, com a contribuição assistencial instituída pelas normas coletivas das diversas categorias, e cuja constitucionalidade restou afirmada pelo Tema 935, do STF, o direito de oposição é um desdobramento do já analisado direito à liberdade sindical”, escreveu o magistrado.

O juiz deu 48 horas para que o vereador apague as postagens em que oferece os modelos das cartas de oposição e determinou que ele não faça outras com conteúdo idêntico ou semelhante. O parlamentar também não pode distribuir as declarações em qualquer outro meio virtual ou físico, nem no entorno ou interior de fábricas e empresas.

Foi estipulada multa de R$ 25 mil a cada descumprimento dos termos da decisão, caso aconteça, com limite de R$ 250 mil, que serão revertidos a entidade assistencial a ser definida posteriormente.

Ainda cabe recurso de decisão.

Confira mais conteúdos sobre a discussão em torno da discussão assistencial:

“Vai abrir mão dos benefícios?”, diz Marinho sobre oposição à contribuição sindical

Antonio Neto esclarece fatos sobre contribuição assistencial

Procurador rejeita ação contra sindicato e defende legalidade da contribuição assistencial

Contribuição negocial beneficia trabalhadores, defende procuradora do Trabalho

Texto: Imprensa CSB

Foto: divulgação TRT

Compartilhe:

Leia mais
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores