Centrais entregam proposta sobre contribuição assistencial a Rodrigo Pacheco

As centrais sindicais se reuniram na noite desta segunda-feira (2) com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para entregar a ele uma proposta de regulação da contribuição assistencial e esclarecer o modelo defendido por elas.

O documento entregue pelas centrais foi o Termo de Autorregulação da Contribuição Assistencial, elaborado após o Supremo Tribunal Federal decidir que a contribuição é constitucional. O texto segue os termos da tese aprovada pelo STF, que atrela a cobrança a um acordo coletivo ou convenção coletiva negociada pelo sindicato e de que seja garantido o direito de oposição.

Saiba mais e acesse a íntegra aqui: Centrais elaboram Termo de Autorregulação sobre contribuição assistencial

O assunto vem enfrentando resistência por parte do Congresso Nacional após a contribuição ser taxada como a “volta do imposto sindical”. Apesar de ser aplicável também a trabalhadores não sindicalizados, a contribuição assistencial não se compara ao imposto por só se cobrada no caso de o sindicato conseguir firmar um acordo ou convenção que valerá para toda a categoria que representa e por seu valor ser decidido em assembleia.

O extinto imposto, por sua vez, era um desconto automático sem a garantia de uma contrapartida ou serviço de fato prestado. O retorno do tributo não é defendido pelas centrais e não está em discussão, conforme explicou o próprio presidente do Senado.

“A primeira premissa é que não há na decisão do STF a revogação do que foi feito pelo Congresso na reforma trabalhista. Ela se mantém intacta, com a faculdade da contribuição sindical, que continua sendo não-obrigatória. A contribuição assistencial pressupõe o êxito do sindicato na negociação coletiva, e esse êxito, compartilhado com os empregados. O imposto sindical obrigatório é algo que eu tenho reservas e eles [sindicatos] nem defendem. E a própria garantia na contribuição assistencial de haver o direito de oposição ao empregado”, disse Pacheco após o encontro.

O vice-presidente da CSB Flavio Werneck e o assessor para assuntos parlamentares Ernesto Pereira representaram a central na reunião. Para Werneck, a recepção do presidente do Congresso Nacional à proposta foi “excelente”.

“Ele falou que o ideal é o que estamos fazendo, ou seja, um acordo entre os sindicatos patronais e dos trabalhadores, para termos um projeto de consenso e viabilizar novamente o movimento sindical”, contou.

Além do Termo de Autorregulação já entregue a Pacheco, as centrais trabalham junto com as entidades patronais na elaboração da minuta de um projeto de lei que propõe esse novo modelo de financiamento das atividades sindicais e também promove mudanças na administração dos sindicatos em busca de mais transparência, representatividade e eficiência.

Essa discussão está sendo realizada no Grupo de Trabalho da Negociação Coletiva, coordenado pelo Ministério do Trabalho. Representam a CSB neste grupo o presidente nacional, Antonio Neto, o secretário nacional de Organização, Paulo de Oliveira.

Conforme já afirmou o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, a intenção é garantir que tanto o lado patronal quanto dos trabalhadores tenham sindicatos fortes e representativos para um ambiente de negociação saudável entre as partes.

Pacheco defendeu a mesma ideia após a reunião e disse que o Congresso buscará uma solução para o autofinanciamento dos sindicatos, baseado no diálogo que está sendo realizado entre as partes.

“Estamos buscando há algum tempo uma forma de fomento dos sindicatos. É importante haver vida sindical no Brasil. É importante haver instrumentos e condições para esses sindicatos dialogarem e chegarem num bom termo tanto para empresas quanto para os empregados”, afirmou.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)