Vale-cultura deve injetar R$ 700 milhões por ano no mercado

O benefício pode ser concedido voluntariamente pelas empresas a funcionários contratados sob regime CLT que recebam até cinco salários mínimos

Nos próximos anos, o ciclo cultural no Brasil será potencializado em cerca de R$ 700 milhões por ano com a regulamentação do cartão pré-pago para consumo de produtos e atividades culturais – o chamado “vale-cultura”. A estimativa é do GSPP-Grupo Setorial de Pré-Pagos, que reúne as empresas não financeiras que atuam nesse segmento. Nesta sexta-feira, dia 9, o MinC (Ministério da Cultura) divulgou uma portaria com o primeiro conjunto de regras sobre o uso do vale-cultura.

“Está nascendo uma nova e promissora categoria de pré-pagos no Brasil, que deve se perfilar ao lado de outros grandes mercados, como o dos tíquetes para pagamento de refeições, o vale transporte e o serviço pré-pago de telefonia celular”, afirma Antônio Jorge Castro Bueno, presidente do GSPP. “E assim como nestas outras categorias, o pré-pago deve favorecer o florescimento de uma cadeia de valor com potencial para gerar milhões de empregos no Brasil”, completa.

O vale-cultura é um benefício que pode ser concedido voluntariamente pelas empresas a funcionários contratados sob regime CLT que recebam até cinco salários mínimos. O objetivo é facilitar o acesso desses trabalhadores a produtos e serviços culturais como livros, DVDs, revistas, instrumentos musicais e ingressos para museus, teatros e cinemas, entre outros.

Para o presidente do GSPP, o principal benefício do vale é estimular a demanda por cultura. “Até hoje, todos os mecanismos de estímulo à cultura beneficiavam sua produção. Focar na demanda, ou seja, facilitar o acesso do trabalhador de renda mais baixa só é possível graças ao formato do pré-pago, que é ideal para atender nichos e segmentos específicos, como este”, comenta.

Os pré-pagos já são usados no Brasil desde a década de 70, quando surgiram os vouchers para pagamento de refeições. Em 2010, os pré-pagos responderam por 4% do consumo privado. Eles devem alcançar 10% em 2020, segundo o GSPP. O avanço se dará por conta da segurança que o modelo oferece para quem paga e para quem recebe um pré-pago, bem como pelo fato de que esse arranjo de pagamento permite elevar a gama de serviços para a população não ou mal bancarizada. Segundo dados da FGV, 40% da população brasileira ainda não tem conta bancária, transacionando R$ 665 bilhões por ano, de acordo com pesquisa do DataPopular.

Fonte: Economia SC

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"