primeiro-de-maio

Trabalhadores pedem revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 no 1º de Maio de BH

Evento enfatizou a luta dos trabalhadores contra o retrocesso nos direitos e a urgência da aprovação da pauta trabalhista

Em comemoração ao Dia do Trabalhador, a CSB e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada de Minas Gerais (SITICOP-MG) promoveram o 1º de Maio da Pesada, na Arena BHO ato em defesa dos trabalhadores teve como bandeira de luta o pedido de revogação das Medidas Provisórias 664 e 665.

As MPs alteram dispositivos que garantem a seguridade social, tais como seguro-desemprego, abono salarial, seguro-defeso, auxílio-doença e pensão por morte. O evento também pediu alterações na Lei  8.666, de 21 de Junho de 1993, que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências com relação às obras. O SITICOP-MG quer que a norma garanta os salários dos trabalhadores da construção civil e também o término das obras.

O presidente da CSB, Antonio Neto, representou a entidade e defendeu a revogação das MPs 665 e 664. “Essa festa é para o trabalhador, porque esse ano é de celebrar os muitos anos de lutas dos trabalhadores. É hora de organizar os operários contra essas medidas que roubam os direitos trabalhistas. Nós não permitiremos o retrocesso e não negociaremos a retirada de direitos. Nós vamos para cima do Congresso”, disse o dirigente.

Segundo Neto, a classe trabalhadora jamais poderá esquecer que o 1º de maio no Brasil. “O Dia do Trabalhador é um dia de reflexão e festividades. A pauta trabalhista precisa ser aprovada com urgência. Só assim as desigualdades sociais diminuirão. A luta pela redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, distribuição de renda, saúde, segurança e combate a pobreza continua”, reiterou.

O presidente do Siticop-MG, José Antônio da Cruz , lembrou que o evento tem sido um sucesso desde sua primeira edição, em 2011. “Essa festa contribui para que haja harmonia entre os trabalhadores do setor da construção, assim a categoria fica fortalecida. Nós somos mais de 200 mil trabalhadores em Minas Gerais e mais de 400 mil na região Sudeste”, disse .

“Vamos lutar pela melhoria dos salários, pela redução da jornada de trabalho, além de defender a CLT, um documento essencial na vida dos trabalhadores brasileiros”, discursou Cruz.

Contra as MPs e na luta pelos trabalhadores, a CSB está mobilizando os seus dirigentes para uma grande ação em defesa dos trabalhadores e contra as medidas 665 e 664, nos dias 5 e 6 de maio, quando haverá a votação no Congresso referente às novas regras.

O ato também teve apresentação de artistas como Belo, Samba do B, Danni Oliveira, Julio Cesar e Aldair.  Foram sorteados um automóvel, sete motos e mais de 40 prêmios.

Confira a íntegra do discurso do presidente da CSB no vídeo abaixo:

Primeiro de Maio

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra