Trabalhadores e empresários cobram do governo medidas pela geração de emprego

Dirigentes entregaram ao presidente documento unificado com sugestões emergenciais para o aquecimento do mercado

Representantes dos trabalhadores, inclusive a CSB, e dos empresários reuniram-se nesta terça feira (12), às 10h, com o presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto, para pedir medidas de aceleração da economia e geração de emprego.

Os dirigentes entregaram ao presidente documento unificado com sugestões classificadas como emergenciais para o aquecimento do mercado. Entre elas, aumento de concessões de crédito do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES); crédito para empresas (micro e pequena), pessoa física e para habitação; redução da taxa de juros; retomada de obras públicas, revisão de normas do seguro-desemprego (aumento de parcelas); recuperação de passivos fiscais; renovação de veículos e máquinas; e regras de conteúdo local na cadeia de gás e petróleo.

Para o presidente da CSB, Antonio Neto, a iniciativa das entidades defende medidas para diminuir o sofrimento do povo brasileiro ao tentar minimizar ou retirar entraves que impedem o crescimento.

Em discurso, Neto, falou do sistema de dívida pública, que no entendimento dele é “criminoso”. “[A dívida] alimentada, mantida e ampliada pelas constantes políticas econômicas, todas embasadas pelos interesses do sistema financeiro, que subtrai anualmente quase metade do orçamento da União, inviabilizando o Estado, sufocando o setor produtivo e ceifando o emprego dos brasileiros”, afirmou.

Na avaliação do dirigente, o Estado é o único agente capaz de suprir as necessidades do povo. “Em síntese, estamos defendendo neste documento e nestas medidas uma atuação mais incisiva do Estado e dos bancos públicos, pois somente o Estado tem preocupação com estímulo ao crédito”, pontuou.

“O povo quer universidade pública e de qualidade, programas habitacionais, obras de infraestrutura, enfim, mais do Estado”, exemplificou.

O presidente da Central disse ainda que, em tempo de crise, não acha razoável o ganho dos bancos. “Não consigo entender como temos mais de 13 milhões de desempregados, milhares de empresas fechadas, a indústria definhando, o Estado sem recursos e os bancos batendo recordes em cima de recordes em seus lucros”, frisou.

Além da participação de Neto, a CSB foi representada por delegações de todas as regiões do Brasil.

Participaram da reunião o secretário-geral Alvaro Egea; os vice-presidentes Flávio Werneck, Leandro Allan, Joana Batista Lopes, Sandro Jadir Albuquerque e Genival Bezerra Leite; os secretários Itamar Kunert (Organização e Mobilização); Juvenal Cim (Finanças), Maria Barbara da Costa (Saúde), Alessandro Rodrigues (Comunicação) e Maria Aparecida Feliciani (1ª secretária-geral) e o filiado Igor Tiago Pereira Lima (presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Itatiba).

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"