Tecnologia pode extinguir empregos de 23% dos trabalhadores em 5 anos, diz relatório

Tecnologia pode extinguir empregos – Um a cada quatro trabalhadores (23%) deve perder o emprego – ou ser realocado em um novo cargo – por causa da inteligência artificial e de outras tecnologias digitais nos próximos cinco anos.

Essa é uma das principais conclusões do Future of Jobs Report (Relatório sobre o Futuro do Trabalho), recém-lançado pelo Fórum Econômico Mundial. As informações são de Carlos Juliano Barros no site UOL.

Publicado a cada dois anos, o relatório tem por objetivo captar as principais tendências do mercado de trabalho. No último levantamento, foram consultadas 803 empresas, espalhadas por 45 países.

A tecnologia vai criar ou destruir empregos?

O relatório do Fórum Econômico Mundial fornece algumas pistas sobre uma das questões mais debatidas atualmente.

Metade das corporações ouvidas estão otimistas e acreditam que o ‘big data’, os sistemas de nuvem e a inteligência artificial vão gerar novos postos de trabalho. Já 25% das empresas acreditam que a tecnologia vai aniquilar vagas.

A impressão varia de acordo com o segmento empresarial. Quem é do ramo dos meios de comunicação tende a ser mais pessimista, enquanto quem atua com e-commerce, por exemplo, está mais animado com o futuro.

O relatório faz uma projeção sobre os postos de trabalho envolvidos direta ou indiretamente nas cadeias produtivas das empresas analisadas, um total de 673 milhões.

O aponta que o número de vagas criadas será menor do que o das eliminadas e que até 2027, a estimativa é de um saldo negativo de 14 milhões de empregos.

Automação

Nas empresas consultadas pela pesquisa, cerca de um 1/3 das tarefas é realizada por robôs e sistemas automatizados, atualmente. Isto é, a maior parte do trabalho continua sendo feito por homens e mulheres.

A maioria das companhias tem planos de investir em tecnologia e plataformas digitais num futuro próximo, mas o estudo detectou queda na expectativa de robotização.

No último levantamento, a perspectiva era de que, em cinco anos, 47% das tarefas fossem automatizadas. Na atual edição, esse número recuou para 42%.

Isto pode ser um sinal de que a adoção de tecnologias digitais pode acontecer num ritmo menos frenético do que se imaginava.

Desigualdade

Um dos principais desafios identificados pelo estudo é o comportamento do mercado de trabalho pós-pandemia e em meio à Guerra da Ucrânia.

Nos países desenvolvidos, o desemprego tem se mantido em níveis baixos e em alguns casos, menores até do que se verificava antes da covid-19.

Atualmente, a taxa média de desocupação nas nações da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é de 4,9%, a menor desde 2001.

Já nos países em desenvolvimento, o desemprego continua alto e a queda na renda, motivada pelo aumento da inflação, é uma realidade.

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), houve uma redução real no valor dos salários pela primeira vez em quinze anos: 0,9% no primeiro semestre de 2022.

Uma das hipóteses levantadas no relatório para explicar a disparidade entre países desenvolvidos e emergentes é a falta de investimentos públicos para dar suporte a empresas e trabalhadores.

“O crescimento da instabilidade geopolítica, a incerteza econômica, a disparada da inflação e a elevação nos preços das commodities” são outras preocupações para o mercado de trabalho para os próximos 5 anos, diz o documento.

Com informações de: UOL

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Leia também: Países testam jornada de 4 dias de trabalho por semana; veja vantagens observadas

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)