TCU vê até 8 milhões de pagamentos indevidos do auxílio emergencial

Presidente do TSE pede à Dataprev que pare de usar os bancos de dados da Justiça Eleitoral para analisar a concessão do auxílio emergencial

Um levantamento feito pela área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) estima que até 8 milhões de benefícios referentes ao auxílio emergencial podem ter sido pagos indevidamente pelo governo. O mesmo estudo aponta que 2,3 milhões de pessoas que teriam direito ao benefício podem ter sido consideradas não elegíveis para os R$ 600. Conforme revelou o Valor na edição de ontem, cerca de um terço das classes A e B pediu o auxílio emergencial, segundo pesquisa do Instituto Locomotiva.

O relatório referente ao levantamento foi analisado ontem pelo plenário do TCU. O relator do processo, ministro Bruno Dantas, destacou em seu voto as potenciais irregularidades, mas recomendou “coerência” para possíveis cobranças ao governo neste momento, a fim de evitar “maiores ônus aos órgãos envolvidos no combate à pandemia”.
O tribunal identificou que cerca de 21,2 milhões de pessoas que estão foram do Cadastro Único do governo federal teriam direito aos R$ 600. Os dados apresentados pela Caixa Econômica Federal, entretanto, apontam para 29,3 milhões de pagamentos, uma diferença de 8,1 milhões de benefícios a mais.

O número, entretanto, pode ser um pouco menor, de cerca de 6 milhões de pagamentos a mais, se considerados números da Pesquisa Nacional por Amostra de Municípios (Pnad). Por conta das possíveis inconsistências, o relator preferiu não detalhar esses números em seu voto.

Na ponta inversa também foram detectadas possíveis falhas. O TCU esperava que o número de brasileiros que estão inscritos no Cadastro Único, mas que não recebem o Bolsa Família, seria de cerca de 13,1 milhões. Pessoas nessas condições também têm direito ao auxílio emergencial, mas a Dataprev – responsável pela checagem dos dados – considerou somente 10,8 milhões elegíveis para os R$ 600.
No relatório, o tribunal considera a baixa integração dos cadastros públicos como uma das principais responsáveis pelas inclusões e exclusões indevidas no benefício emergencial. Também integram a lista de falhas a desatualização do Cadastro Único e as limitações para checagem de composição familiar, de vínculos de emprego e renda, bem como identificação de pessoas com menor acesso a serviço público.
O plenário aprovou uma lista de oito recomendações apresentada pela área técnica e chancelada pelo relator. Uma delas é para que o governo efetue cruzamentos de dados para identificar possíveis mudanças na elegibilidade de quem já teve o benefício aprovado. O objetivo é evitar que o pagamento a alguém que durante o período da pandemia recuperou as condições financeiras e não faria mais jus ao pagamento.

Outra sugestão foi para que o governo utilize de forma mais eficaz a rede do Sistema Único de Assistência Social (Suas) para o processo de cadastramento no auxílio emergencial. A medida, na avaliação do tribunal de contas, seria eficaz para alcançar trabalhadores com barreiras socioeconômicas mais complexas, como os analfabetos, pessoas com dificuldade de leitura ou que não têm acesso à internet.
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, pediu à Dataprev que pare de usar os bancos de dados da Justiça Eleitoral para analisar a concessão do auxílio emergencial de R$ 600.
O alerta chegou à Corte em maio pela associação Visibilidade Feminina, segundo a qual diversas candidatas das últimas eleições tiveram o benefício negado por constarem como eleitas, quando na verdade não exercem cargo eletivo atualmente.
O Ministério da Cidadania informou no último dia 14 de maio que iria rever esses pedidos. (Colaborou Luísa Martins)

Fonte: Valor Econômico – Por Murillo Camarotto

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)