STF decide que estatais devem apresentar motivação para demitir trabalhadores concursados

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (8), por 6 votos a 3, que empresas estatais devem apresentar uma motivação para demitir trabalhadores concursados. Essa motivação, no entanto, é diferente da demissão por justa causa, que tem requisitos mais rígidos.

“As empresas públicas e sociedades de economia mista têm o dever de motivar, em ato formal, a demissão dos seus empregados admitidos por concurso público. Tal motivação pode consistir em qualquer fundamento razoável, não exigindo que se enquadre nas hipóteses de justa causa da legislação trabalhista”, disse o presidente da Corte, Luís Roberto Barroso, em seu voto.

Os ministros Dias Toffoli, Cármen Lúcia, André Mendonça, Cristiano Zanin e Edson Fachin acompanharam o voto de Barroso. Divergiram do entendimento o relator do caso, Alexandre de Moraes, e os ministros Kássio Nunes Marques e Gilmar Mendes. O ministro Luiz Fux não compareceu à sessão e, portanto, não votou.

Veja também: Pauta do STF em 2024 inclui decisões sobre reforma trabalhista e aposentadoria

O julgamento foi suspenso e será concluído em outro momento, para definir detalhes da tese. Entretanto, a maioria dos ministros já votou para exigir algum tipo de motivação nas demissões.

“Prevalece majoritariamente a ideia de que a demissão deve ser motivada, ainda que com simplicidade, sem as exigências da demissão por justa causa”, afirmou o presidente do STF.

O caso em julgamento foi uma ação movida por trabalhadores do Banco do Brasil que tentavam reverter uma demissão de 1997 e chegou ao Supremo após o grupo recorrer contra uma decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que foi favorável à demissão imotivada. O caso, contudo, tem repercussão geral e pode afetar centenas de casos semelhantes que tramitam na Justiça.

A ação pede que o banco seja condenado a reintegrar os funcionários demitidos e pague o valor correspondente aos salários que deixaram de receber desde a demissão. O BB argumenta que empresas públicas estão submetidas ao regime jurídico de empresas privadas e, por isso, não seriam obrigadas a apresentar motivação.

Ainda não se formou maioria em relação a aplicação da decisão desta quinta ao caso dos trabalhadores do banco. Os ministros precisam decidir ainda se a tese só se aplicará a casos futuros ou terá efeito retroativo, além de outros detalhes que devem ser discutidos futuramente.

Com informações de: Terra

Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social