Sociedade derrota oposição e aprova Marco Civil da Internet

Senado aprovou o projeto, que foi sancionado, hoje (23), pela presidenta Dilma Rousseff 

O Senado aprovou na noite de terça-feira, dia 22, o Projeto de Lei do Marco Civil da Internet. A redação final do projeto foi aprovada, sem alterações, por unanimidade pelos senadores. O texto foi sancionado, hoje (23), pela presidenta Dilma Rousseff, durante o evento NETMundial em São Paulo. A presidenta saudou o Senado e disse, por meio do Twitter, “que a lei poderá influenciar o debate mundial na busca do caminho para garantias de direitos reais no mundo virtual”.

O projeto de lei cria regras para a rede de computadores, estabelece direitos dos usuários e deveres dos provedores de conexão. O presidente da CSB e do Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd), Antonio Neto, considera muito importante haver regras claras e objetivas quanto ao uso da internet. Ele avalia o PL como necessário para proporcionar mais segurança e liberdade de escolha ao usuário.

Um dos principais pontos do projeto é a garantia de neutralidade de rede, ou seja, o acesso ao conteúdo na internet não pode depender do valor pago para as operadoras. Assim, os provedores ficam proibidos de discriminar usuários conforme os serviços ou conteúdos que eles acessam – cobrando mais, por exemplo, de quem acessa vídeos ou aplicações de compartilhamento de arquivos. Essa foi uma das questões mais polêmicas do PL 2123/11 que, segundo Neto, é uma questão necessária para assegurar um ambiente justo ao consumidor e competitivo às empresas. “Lutamos para que a internet seja cada vez mais disseminada no Brasil. Para que ela alcance todos. Qualquer projeto que dê preferência a quem possui maior poder aquisitivo é contrário ao que defendemos. A internet precisa ser neutra. Limitar a velocidade, direcioná-la a sites que paguem para ter o serviço mais rápido, ou criar pacotes com diferentes preços aos consumidores, representa um retrocesso”, ressalta.

Outro ponto da proposta garante o direito dos usuários à privacidade, especialmente à inviolabilidade e ao sigilo das comunicações pela internet. O texto determina que as empresas desenvolvam mecanismos para garantir, entre outros, que os e-mails só serão lidos pelos emissores e pelos destinatários da mensagem, nos moldes do que já é previsto para as tradicionais cartas de papel. O projeto também assegura proteção a dados pessoais e registros de conexão, e coloca na ilegalidade a cooperação das empresas de internet com órgãos de informação estrangeiros. O objetivo é evitar casos de espionagem como o escândalo que envolveu a NSA, agência norte-americana de informações.

Segundo publicado na Agência Brasil, o líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), disse que o Brasil dará exemplo ao mundo no que se refere à regulação das relações na internet e ressaltou que a maioria dos países ainda não tem leis tão “maduras” quanto a que foi aprovada no Congresso brasileiro.

Articulações da CSB

A CSB e o Sindpd enviaram, em outubro de 2013, um manifesto sobre o Marco Civil da Internet à Dilma Rousseff. No ofício, as entidades propõem a apreciação de cinco pontos previstos no projeto que regulamentará o uso da rede no Brasil. Para ambas, estas questões são essenciais para que o Marco Civil cumpra seu objetivo, que é democratizar e promover o direito de acesso à internet no País.

A guarda de logs dos provedores de aplicação; a responsabilidade destes provedores pelos conteúdos de terceiros; a insustentabilidade do aviso ao próprio criminoso; a inviolabilidade das comunicações dos usuários; e a neutralidade da rede são pontos que, segundo a CSB e o Sindpd, precisavam de apreciação cuidadosa.

As entidades argumentavam que esses temas eram fundamentais para promover o direito de acesso à Internet e à informação para todos os cidadãos, além de estimular o conhecimento e a participação da sociedade na vida cultural e na condução dos assuntos públicos. Reiteraram ainda a importância do projeto para promover a inovação e fomentar a ampla difusão de novas tecnologias e modelos de uso e acesso.

O documento teve uma resposta positiva do Ministério das Comunicações, que colocou os pontos apresentados pela CSB e Sindpd no debate junto aos deputados.

Confira na íntegra o ofício enviado à presidenta e a resposta do Ministério.

Compartilhe:

Leia mais
reunião fessergs reestruturação carreiras servidores rs
Servidores do RS pedem mais tempo para debater projetos de reestruturação de carreiras
Diretoria sindicato rodoviarios caxias do sul
Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Caxias do Sul (RS) reelege diretoria
senado e governo reoneração folha de pagamento
STF prorroga prazo para Senado e governo discutirem reoneração da folha de pagamento
eleição diretoria sindicato servidores são vicente 2024
Sindicato dos Servidores de São Vicente (SP) elege nova diretoria em disputa acirrada
lucro recorde fgts 2023
Lucro do FGTS quase dobra em um ano e atinge recorde de R$ 23,4 bilhões em 2023
comissão provisória csb-ba
Presidente da CSB-BA pede afastamento, e Antonio Neto nomeia comissão provisória
reunião centrais e governo lei igualdade salarial
Centrais e governo avaliam resultados do primeiro ano da Lei da Igualdade Salarial
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Links: centrais realizam reuniões sobre agenda legislativa nos estados