Sindicato anuncia medidas para reverter demissão de policiais penais do Pará

O Sindicato dos Policiais Penais do Pará (Sinpolpen-PA) anunciou que tomará todas as medidas judiciais cabíveis para reverter a demissão de profissionais que participaram de um protesto que cobrava o cumprimento de um acordo firmado com o governo do estado em relação à lei orgânica da categoria.

De acordo com o presidente do Sinpolpen, Rosivan Santos, o governo de Helder Barbalho se comprometeu, em 2021, a aprovar a lei orgânica dos policiais penais até fevereiro de 2023, e os movimentos de reivindicação foram paralisados, aguardando o cumprimento do acordo.

Relacionada: Policiais penais do Pará cobram cumprimento de acordo, e PM reprime protesto

Porém, até hoje o projeto não saiu do papel e, em maio deste ano, a categoria realizou um protesto em frente ao Palácio do Governo que foi violentamente reprimido pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar.

Na semana passada, o sindicato tomou conhecimento de que trabalhadores e trabalhadoras que participaram do movimento foram demitidos pelo governo.

“Nosso time jurídico já está analisando a situação, e lutaremos até a última instância para que esta situação absurda seja revertida. Não é possível que em pleno século XXI servidores públicos sejam demitidos em clara perseguição política por lutar por seus direitos”, afirmou o sindicato.

Ele ressaltou ainda que os servidores demitidos não tiveram nem sequer direito à defesa. Na última sexta-feira (24), já foi realizada uma reunião com os advogados do sindicato e os profissionais que sofreram a retaliação.

“Os policiais penais do estado do Pará deram suas vidas em prol do sistema penal. Se hoje a criminalidade no estado está em baixa é graças aos guerreiros e às guerreiras que lutaram em prol de um sistema penal forte”, disse Rosivan em mensagem à categoria.

A Associação dos Policiais Penais do Brasil (Ageppen) também repudiou a decisão, que classificou como um ato “descabido, desproporcional e de injustiça”, e informou que prestará apoio ao Sinpolpen-PA para revertê-la.

“A ausência de um diálogo justo e aberto, e de um processo administrativo pautado nos princípios que regem a administração pública, levanta preocupações sobre o compromisso do governo com a justiça e os direitos dos servidores públicos, em especial dos Policiais Penais, que tem contribuído de forma decisiva para a diminuição dos índices de criminalidade no estado”, diz trecho da nota da Ageppen.

Compartilhe:

Leia mais
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores