Sindicalização será um dos desafios para os dirigentes em 2020

A combinação de recessão prolongada com a precarização acelerada do trabalho – via ataques do governo – fez cair a taxa de sindicalização. O IBGE informa que, em 2018, “das 92,3 milhões de pessoas ocupadas, 12,5% (11,5 milhões) estavam associadas a algum Sindicato” – menor percentual desde 2012. Em relação a 2017, quando a taxa era de 14,4%, houve redução de 1,5 milhão de sindicalizados.

A maior taxa, em 2018, ficou com o setor público (25,7%), seguido por trabalhadores do setor privado com Carteira assinada (16%).

Geral – Considerando os níveis de instrução, em todos eles registrou-se queda. O menor percentual estava entre os trabalhadores de Ensino fundamental completo e médio incompleto (8,1%). Mesmo registrando decréscimo em 2018, empregados com Superior completo tinham o maior percentual de sindicalização (20,3%).

Regiões – Todas as Regiões mostraram redução. Norte e Centro-Oeste, queda de sindicalizados de 20%. No Sudeste, retração de 12,1%. No Sul, o percentual (13,9%), pela primeira vez, ficou abaixo do Nordeste (14,1%). Em 2018 os percentuais, por Região foram: Norte (10,1%), Nordeste (14,1%), Sudeste (12,0%), Sul (13,9%) e Centro-Oeste (10,3%).

Das 27,9 milhões de pessoas ocupadas como empregadores ou trabalhadores por conta própria, 5,6% eram associados à cooperativa de trabalho ou produção. Dentre os ocupados como conta própria, 19,4% possuíam registro, a maior estimativa da série; entre os empregadores a cobertura era de 79,4%.

Indústria cai – Em 2018, na indústria geral, 15,2% dos ocupados eram associados, queda de 2,1 pontos, em relação a 2017. A atividade de transporte, armazenagem e correio, com 5,1% do total de ocupados, apresentou taxa de sindicalização de 13,5%, queda de quatro pontos. Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, sindicalização 8,1%.

Economia – Rodolfo Viana é economista do Dieese, na subseção dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região. Ele avalia que a retração no número de sindicalizados tem “relação direta com a questão econômica, ou seja, desemprego alto e muita rotatividade”. Viana enfatiza que “entre as vagas criadas, a maioria é para jovens, ou seja, pessoas sem vivência com o sindicalismo e as lutas das categorias”.

Experiência – Não difere a avaliação de Pedro Pereira da Silva, secretário-geral do mesmo Sindicato. Para o dirigente, “a rotatividade no emprego, com a dispensa dos profissionais mais experientes, afastou a base da entidade. Quem  chega no emprego prefere não participar da vida sindical”.

Mas o dirigente vê luz no fim do túnel. Ele diz: “Aquela fase em que a categoria se distanciou do Sindicato está passando. Isso se deve muito à nossa atuação na base e também a certa desilusão quanto ao governo. O trabalhador corre pra lá, corre pra cá, mas conclui que apoio mesmo ele tem é do Sindicato”. Pedro Pereira da Silva contabiliza aumento no número de sócios em 2019. “Creio que estamos recuperando o patamar tradicional da entidade”, comenta.

Consultor – Para o consultor João Guilherme Vargas Netto os índices de queda na sindicalização devem orientar a reaproximação. Ele comenta que, “a reforma trabalhista e o fim do imposto sindical geraram impacto real, levando ao afastamento das categorias”. No entanto, Vargas enxerga melhoras. “Quem foi pra base, enfrentou os problemas e deu apoio à categoria começa a sentir essa reaproximação”, diz. Segundo Vargas Netto, “repor a taxa de sindicalização passa a ser prioridade para o sindicalismo em 2020”.

Fonte: Agência Sindical
Link: Sindicalização será um dos desafios para os dirigentes de 2020

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social