Sindicalismo, STF e a sombra da ditadura

RESUMO: A decisão proferida pelo plenário do STF na ADI 6363, em 17.04.2020, autorizando redução de jornada e de salário por meros acordos individuais, é a culminação da violação a disposições constitucionais sobre direitos sociais. Este episódio, ocorrido na crise de calamidade causada pelo COVID-19, significa mais uma negação às prerrogativas dos sindicatos, abrindo margem para que outras violações à constituição passem impunes, o que é extremamente danoso ao Estado de Direito e à Democracia, a qual se encontra sob ameaça de uma  ditadura. A decisão é proferida num momento de instituições fragilizadas e de ataques incessantes aos direitos sociais. O presente artigo analisa as consequências do julgado para o sindicalismo e exorta os sindicatos a trilhar caminho próprio, distante das responsabilidades do diálogo social e das instâncias formais de Poder.

INTRODUÇÃO: O plenário do Supremo Tribunal Federal, ao julgar liminar na ADI 6363, no dia 17.04.2020, entendeu que a MP 936/2020 não viola a Constituição Federal ao permitir a redução de jornada e de salários sem negociação coletiva, sendo suficiente o acordo individual entre a empresa e o(s) trabalhador(es). Assim, fez letra morta ao art. 7º, VI, CF, segundo o qual é assegurado a todos os trabalhadores, urbanos e rurais, “irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo”. Referida decisão precisa ser compreendida no contexto de enfraquecimento sindical, de redução de direitos sociais e da tradição do Supremo em priorizar os interesses econômicos sobre os trabalhistas. A novidade é o julgamento contra legem de maneira tão escancarada, com argumentos nitidamente extrajurídicos. E isto cria uma fissura preocupante ao Estado Democrático de Direito, porque abre espaço para que outras violações constitucionais sejam legitimadas pela Corte.

Para os sindicalistas que vinham flertando com o STF, procurando uma vã aproximação, a decisão em comento impõe um repensar do movimento sindical, mesmo nestes difíceis momentos de instabilidade democrática. E este repensar passa pelo retorno à base dos
representados, nos trabalhadores, nas ruas, nos movimentos sociais e nos protestos. Não tem sido sadia a aproximação do sindicalismo com as instâncias formais de Poder nem a atuação meramente burocrática, mesmo que elas possam ser exercidas de forma complementar ao trabalho histórico dos sindicatos.

A decisão do STF leva a reflexões mais profundas, que este breve estudo procura explorar rapidamente, com a secura que o caso merece, baseado nos julgados recentes da Corte e na verificação das mudanças legislativas antissindicais dos últimos três anos. O propósito é demonstrar a realidade que muitos sindicalistas não querem ver, que os Poderes instituídos não valorizam as prerrogativas sindicais, mesmo que seus discursos sejam o contrário.

Por Francisco Gérson Marques de Lima, Doutor, Professor na UFC, Procurador Regional do Trabalho, tutor do GRUPE-Grupo de estudos em Direito do Trabalho, membro fundador da Academia Cearense de Direito do Trabalho.

Confira o artigo completo: Sindicalismo, STF e a sombra da ditadura

Fonte: Portal Disparada

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)