servidores-federais-rejeitam-reajuste-de-8percent

Servidores federais rejeitam reajuste de 7,8% e preparam contraproposta; defasagem chega a 27%

Servidores federais rejeitam reajuste de 7,8% e preparam contraproposta – Sindicatos de funcionários públicos federais preparam uma contraproposta de reajuste salarial para apresentar ao governo federal. A categoria rejeitou os 7,8% propostos pelo Ministério da Gestão e Inovação em Serviço Público na semana passada. 

A próxima reunião entre os representantes dos servidores e o governo federal deve ocorrer na terça-feira (28). Até lá, as entidades ainda estão negociando internamente qual valor exato do reajuste que pretendem demandar. 

“A proposta [do governo] ainda não chegou ao necessário para que se tenha um tratamento isonômico entre Executivo, Judiciário e Legislativo”, afirmou o vice-presidente da CSB Flavio Werneck, que também é diretor da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef).  

Uma lei aprovada devido à pandemia de Covid-19 manteve congelados os vencimentos dos servidores federais em 2020 e 2021, mas algumas categorias não têm reajuste há seis anos. As perdas inflacionárias nesse período geraram uma defasagem salarial que chega a 27% em alguns casos. 

Desta forma, a proposta que inclui reajuste de 7,9% e um aumento de R$ 200 no vale-alimentação foi considerada insuficiente. 

“Estamos preparando uma contraproposta dentro do que foi apresentado pelo Ministério para que a gente possa chegar a um bom termo, que chegue pelo menos ao mínimo necessário para os servidores do executivo federal e que esteja dentro do que foi colocado pelo secretário [Sérgio Mendonça] como teto da lei do orçamento anual”, contou Werneck. 

Se fosse aceita, a proposta do governo entraria em vigor em 1º de março e custaria R$ 11,2 bilhões por ano, que foram reservados com esse objetivo pela PEC da Transição.  

Congelado desde 2016, o vale-alimentação passaria de R$ 458 para R$ 658, o que beneficiaria especialmente os servidores federais que ganham menos. 

“Um aumento de R$ 200 no vale-alimentação corresponde a 2% do salário de um servidor que ganha R$ 10 mil, mas corresponde a 5% para os que ganham R$ 4 mil ou a 10% de um que recebe R$ 2 mil”, argumentou Sérgio Mendonça, secretário de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho do Ministério da Gestão. 

Em nota, a Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) afirmou que a proposta do governo precisa ser melhorada, pois não faz frente aos prejuízos acumulados nos últimos anos. 

“Dirigentes da CSPB celebram a retomada de diálogo com o Executivo, mas sugerem empenho na busca por mais recursos junto ao Congresso Nacional para que a recomposição das perdas salariais seja plenamente atendida, uma vez que a proposta do governo ainda não cobre o total dos prejuízos acumulados”, diz a nota. 

Foto: reunião em que governo apresentou sua proposta aos servidores. Crédito: Edu Andrade/Ascom/MGI

Leia também: Os alicerces do movimento sindical – por Antonio Neto, presidente da CSB

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra