Saiba como evitar a perda do auxílio-doença na MP 871

Medida Provisória de Jair Bolsonaro torna mais rígidas as regras para a concessão do benefício

 

Em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro assinou Medida Provisória editada sob a alegação de fazer um pente-fino em possíveis irregularidades nos benefícios do INSS. A MP 871, que pode ser votada no Congresso na próxima semana, deixou algumas regras mais exigentes e confusas. Por isso, o trabalhador que ficar desempregado precisa estar atento para não perder o direito aos benefícios do INSS, em especial, o auxílio-doença.

Para quem contribuiu por pelo menos 10 anos e recebeu seguro-desemprego, a qualidade de segurado, que é a condição atribuída a todo cidadão filiado ao INSS e que faça pagamentos mensais na Previdência Social, acaba em um período de três anos.

Ao perder esse atributo, o trabalhador – para voltar a ter direito ao auxílio-doença, caso necessite –precisa cumprir a carência similar à de novos segurados, que é de 12 meses.

Caso a MP seja aprovada, haverá três regras para quem perdeu a carência da cobertura previdenciária:

– Válida até 17 de janeiro;

– Até a data de aprovação final da MP;

– A partir da assinatura do presidente.

Segundo especialistas, essas três regras diferentes ferem o princípio da isonomia.

Benefício por Incapacidade

Auxílio financeiro concedido aos segurados da Previdência Social que apresentam incapacidades, limitações ou restrições para exercer suas atividades que garantam o seu sustento, o benefício por incapacidade também sofreu mudanças no prazo ; o tempo mínimo de contribuição foi aumentado para o trabalhador recuperar a cobertura.

Sem contribuir, o beneficiado tem de quatro meses a três anos para manter seus benefícios. O prazo varia de acordo com o tipo de contribuinte. Após este tempo, o trabalhador precisa cumprir o tempo de carência.

Desde assinatura da MP, esse tempo de carência é de 12 meses de contribuição. Se virar lei, o período volta para seis meses, pois foram aprovadas emendas à MP durante análise de comissão especial na Câmara que mudam esse tempo de contribuição.

As regras da MP estão em vigor até o dia 3 de junho. Caso não seja votada, a Medida Provisória perde a validade.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)