reuniao-alckmin-sindicatos-industria-empregos

Em reunião com centrais, Alckmin apresenta plano para indústria e mais empregos

As centrais sindicais se encontraram nesta quarta-feira (18) com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Geraldo Alckmin, para conversar sobre a geração de empregos que pode ser impulsionada pela pasta. Assim como tem declarado publicamente, o ministro falou sobre seus planos para reindustrialização do país. Historicamente, a indústria é o setor que oferece os melhores empregos. 

“Gostamos do que foi apresentado e tenho certeza de que a agenda proposta tem o apoio das centrais. Para nós que defendemos um Projeto Nacional do Desenvolvimento foi muito bom ouvir que o ministro está em consonância com os nossos anseios”, disse o presidente nacional da CSB, Antonio Neto. 

Dentre os temas apoiados pelas centrais, estão: 

  • Uma reforma tributária que crie um sistema mais justo e simples de impostos; 
  • A desburocratização do Estado; 
  • O enfrentamento a taxas abusivas de juros; 
  • A retomada das relações comerciais com países latinos e em desenvolvimento; 
  • Estímulos para o desenvolvimento de complexos industriais de saúde, gás e petróleo, defesa e agronegócio. 

Alckmin contou ainda sobre sua ideia para financiar as exportações brasileiras, por meio de um programa que deve ser feito pelo BNDES. Um exemplo da necessidade deste estímulo, é a queda das nossas exportações para a Argentina, o maior comprador de produtos manufaturados do país. 

Leia também: Isenção do IR, salário mínimo, lei trabalhista: o que Lula falou em reunião com centrais

Segundo o ministro, o volume de negócios com o país vizinho caiu de US$ 28 bilhões para US$ 15 bilhões. Ele explicou que uma das razões para isso é o financiamento feito por países como a China para privilegiar esse tipo de negociação. 

“A Argentina é o terceiro parceiro comercial brasileiro e é para onde vendemos mais produtos de manufatura”, disse. Uma das medidas previstas pelo BNDES é a retomada dos trabalhos de uma comissão bipartite entre o Brasil e Argentina, contou. 

Convenção 151 

Os representantes sindicais falaram ainda sobre as diversas convenções da OIT (Organização Internacional do Trabalho) das quais o Brasil é signatário, mas não cumpre na prática. Alckmin se mostrou preocupado com a possibilidade do país entrar na lista curta da organização pelo não cumprimento. 

A Convenção 151 exemplifica bem a situação e é tema de luta constante das centrais. Ela garante o direito do servidor público à negociação coletiva, no entanto, os servidores brasileiros não têm esse direito respeitado. 

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra