TCU-e1383132851906

Repasse indevido faz governo ter perda bilionária, diz TCU

O prejuízo, que pode chegar a cifras bilionárias, decorre da mudança do cálculo de cobrança dessa contribuição promovida pelo governo no ano passado

Órgãos do governo, estatais, Legislativo e Judiciário estão pagando valores maiores do que o devido de contribuição previdenciária a empresas contratadas para prestar serviços.

De acordo com relatório aprovado pelo TCU (Tribunal de Contas da União) na semana passada, o prejuízo – que pode chegar a cifras bilionárias – decorre da mudança do cálculo de cobrança dessa contribuição promovida pelo governo no ano passado.

Empresas de 42 setores da economia puderam deixar de pagar a contribuição patronal à Previdência de 20% sobre a folha salarial. Em troca, passaram a ser taxadas em 1% a 2% de seu faturamento, o que reduziu o custo de contribuição para esses setores.

Nos contratos firmados entre as empresas privadas e órgãos públicos, o custo da contribuição previdenciária ficava a cargo do contratador, que repassava os recursos ao contratado. Depois, a companhia privada recolhia os valores à Previdência.

Como esses valores estão previstos nas planilhas dos contratos, a grande maioria dos órgãos públicos continuou repassando o mesmo montante para as empresas mesmo após a redução da alíquota.

O tribunal entendeu que isso é irregular e determinou que Ministério do Planejamento e órgãos do Legislativo revejam todos os contratos firmados com a administração pública para adequá-los às novas tarifas e cobrem a devolução dos recursos pagos a mais. Em até 60 dias, os órgãos públicos terão que informar ao TCU as providências adotadas.

Alguns órgãos já haviam começado esse processo, entre eles a Caixa. O banco estatal, segundo o TCU, iniciou uma negociação com seus fornecedores após o início da desoneração para reduzir o valor da contribuição.

ECONOMIA

Como o banco estatal é contratador de setores com grande número de terceirizados, como call centers, o valor de alguns contratos da Caixa foi reduzido em 16%. Segundo o TCU, a estimativa do banco é pagar R$ 200 milhões a menos nos contratos vigentes assinados antes da desoneração.

“Os trabalhos na Caixa foram iniciados em novembro de 2012, alcançando até o momento 150 contratos, tendo gerado economia de R$ 111 milhões”, informou o banco.

O próprio tribunal também está revendo seus contratos. Em apenas um, de terceirizados de informática, o órgão de controle conseguiu uma redução de 4,5% do valor.

Procurado, o Ministério do Planejamento afirmou que ainda não havia sido notificado pelo TCU.

CPMF

Não é a primeira vez que empresas embolsam a redução de alíquota dadas pelo governo em contratos com a administração pública. Quando a CPMF deixou de ser cobrada, em 2007, a grande maioria dos órgãos públicos continuou repassando às contratadas o valor previsto nos contratos desse tributo.

Alguns contratos foram assinados após o fim da vigência da contribuição, que equivalia a 0,38% das movimentações bancárias, prevendo o pagamento do tributo que já não existia.

Fonte: Folha de S.Paulo

DIMMI AMORA
DE BRASÍLIA

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra